Ironia divina

É raro ir ao cinema. Gosto mais de apreciar um filme no conforto de minha casa do que ir para uma sala de cinema na companhia de javalis a comerem pipocas. Mas toda a gente dizia que este era "O" filme do ano que levaria o DiCaprio a ganhar o Óscar maneiras que decidi ir ver.

Para começar o povo português é coninhas. Eu juro que começo a duvidar se realmente fomos os grandes descobridores que dizemos que fomos. Cá para mim atravessámos o Tejo e aumentámos a façanha em milhas marítimas e isto porquê? Porque uma das colunas do lado direito estava a fazer uma grande distorção e com dez minutos quase a ensurdecer levanto-me para ir estrabuchar porque se há coisa que me enerva é pagar e ser mal servida. Toda a gente reclamava baixinho mas ninguém levantou a peida quadrada do assento para resolver o problema. Vinte minutos depois de uma grande dor de cabeça. Pausaram o filme. Desligaram a coluna e continuaram. Sei agora que aquele problema inicial foi uma mensagem divina a avisar-me que estava prestes a desperdiçar duas horas e meia da minha vida e os 6,50€ do bilhete.

Soubesse eu para o que estava guardada e tinha deixado a coluna rebentar-me o tímpano, garanto que teria sido mais feliz no hospital a levar soro na veia. Ora, The Revenant ou em bom português: Eu não fiz mal a ninguém para merecer isto, fala sobre um gajo que sofre muito, que grunhe muito, que leva muito na tromba e que sempre que se tenta levantar há algo que o manda abaixo mas ele nunca desiste. Isto é claramente uma metáfora para as nossas vidas de merda em que grunhimos palavras para não mandar o patrão para o pipi da santa mãe dele e sobre as contas que mensalmente temos para pagar, que quando pensamos que, finalmente, já as pagámos todas vem a cereja no topo do bolo e incha lá com uma multa de estacionamento e agora comes sopa até ao final do mês.

Mas à parte disto, o filme parecia-me levemente familiar. Os reencontros imaginários (e chatos) da personagem principal, os 10 minutos seguidos a filmarem uma respiração, os 10 minutos seguidos a filmarem árvores, os diálogos atrofiados e aquela sensação que o filme não acabava. Nem falo na violência porque eu não sou facilmente impressionável. Mas no geral já tinha tido esta sensação anteriormente.
Assim que o filme acabou saí disparada da sala arrastando o Abade comigo quando dou de caras com o cartaz do filme e leio o nome do realizador Iñarritu, o realizador de Birdman e digo-vos isto: se eu tivesse tomates eles tinham-me caído no chão porque Birdman traumatizou-me mais do que eu alguma vez esperei. Foi o filme mais parvalhão do século e acredito que é por causa deste filme que os ETs nunca nos acharão intelectualmente interessantes para quererem entrar em contacto connosco.

Como se não bastasse abro a aplicação do facebook e aparece-me no topo uma publicação que fiz exactamente há um ano atrás sobre Birdman e o meu tempo perdido. Se isto não é ironia divina... não sei o que chame a isto!

18 comentários:

  1. Terei que concordar em alguns pontos. A história é fraquíssima. O filme vale, e prendeu-me à cadeira, pela fotografia e pela brutalidade das imagens. Ainda não vi todos os filmes nomeados mas ainda não sei se é desta que o Leo arrecada o Óscar. Fiquei bem mais impressionada com o Tom Hardy. Quanto ao Birdman... Deus, que filme entediante. Aí é que devias ter arredado pé.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah sim. O Tom Hardy também é qualquer coisa excepcional!
      Sem dúvida que a fotografia está espectacular mas há tanta "palha" lá pelo meio que não era necessário.

      Eliminar
  2. Quanto mais reviews vejo deste filme, menos vontade tenho de o ir ver. Jasus. É que eu até gostei dos Amores Perros, do Biutiful e do Babel, que são todos do Iñarritu. Mas não vi o Birdman e quanto a este, já não sei o que esperar. Elogiam a fotografia do filme mas dizem que de argumento vale nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho que não gostei de nenhum dos filmes dele. O que mais perto estive de gostar foi o Babel mas quando acabou eu fiquei com cara de dafuq. Não consigo compreender lá muito bem o olhar cinematográfico dele.
      Mas vai ver, se calhar até gostas :) mas aviso-te já para jantares (ou almoçares) uma coisa leve.

      Eliminar
  3. Esse é daqueles que tenho guardado para ver no sofá, sem data definida. Ainda não vi o Birdman, não me despertou interesse nenhum. Tenho uma relação muito má com os filmes que são normalmente os preferidos da Academia he he he

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu também tenho esse problema. Acho que um dos requisitos para ser nomeado pela Academia é serem demasiado estranhos :-/ ou isso ou eu sou muito burra para os compreender (o que também é um hipótese válida lol)

      Eliminar
  4. É assim tão mau? Estava a pensar ir vê-lo mas de facto tirando o elogio ás imagens, não tenho ouvido boas opiniões. Acho que vou esperar para ver em casa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostos são gostos. Se calhar até gostas. Mas eu achei o filme com uma história muita fraquinha. Era mais violência do que outra coisa.

      Eliminar
  5. "javalis a comerem pipocas"
    Amei XD só por esta expressão, já valeu a pena passar por aqui!
    Epa, estava curiosa para ver o filme...agora estou com medo xD mas, por acaso, eu tendo a adorar filmes esquisitos, incompreensíveis e com diálogos estranhos ou quase inexistentes. Portanto...talvez até vá gostar xD mas acho que vou ver no sofá, mesmo (na cama, vá...ou na escrivaninha...que eu não vejo filmes no sofá, não te quero mentir).

    http://amarinar.blogspot.pt/2016/01/sephora-haul-batom-e-lapis-delineador.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na cama também é fixe ver filmes, em qualquer sítio confortável o é. Já no cinema uma pessoa habilita-se a levar com pés nas costas, pipocas, barulhos de pipocas... é uma selvajaria.
      PS - Eu nunca vi um javali a comer pipocas mas presumo que façam um grande cagaçal porque já o fazem sem comerem pipocas xD

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Nã sejas assim. Vê e depois diz-me o que achas :D

      Eliminar
  7. Fui ver esse filme este FDS e, sinceramente, gostei. Claro que é um bocado sangrento (a cena do cavalo vai frequentar os meus sonhos durante anos), mas grosso modo foi um tempo bem passado. Não percebi é porque dos vinte e tal espectadores iniciais restaram seis. Eu quando pago por uma coisa, por muito má que seja, levo com ela até ao fim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Epa. Violento foi mas não foi isso que me incomodou porque eu tenho estômago forte. O que me incomodou foi mesmo os diálogos que eram quase só grunhidos, para isso ia ver o 10.000 AC :D

      Eliminar
  8. Olha, se é assim tão mau, é desta que o Di Caprio leva a estatueta e acaba-se o karma que já chateia e o ar de bebé chorão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se ele ganhar o Óscar com este filme 'tá visto que é uma fantochada porque ele já fez grandes interpretações e nunca ganhou (e atenção que eu gosto dele como actor, acho que merecia).

      Eliminar
  9. Pá, escreves tão bem (e olha que é raro dizer isto a alguém).
    Ora também eu fui ver o The Revenant, e digo a quem quiser ouvir que passado trinta minutos já tinha entrado para a lista dos meus mais detestados filmes de sempre. Gostei do Birdman e de mais alguns do Iñárritu, mas The Revenant é, para mim, o Apocalypto sem a emoção e a dimensão gigantesca da tragédia e resiliência humanas. É um filme macholas, só.

    Perdida em Combate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai olha, obrigada pá xD uma pessoa fica logo de peito inchado.
      Sim, o filme não tem lá grande história e nem sentimento. Tem lindas paisagens e uma boa fotografia mas para mim é só :-/ pensei que fosse ser uma coisa diferente. O meu problema é que vou com expectativas demasiado elevadas.

      Eliminar

Opina aqui qualquer coisinha!