Ascensão de Júpiter...

Ou como foi mundialmente conhecido posteriormente: a Queda do Abade.
Era cerca de meia noite e coiso quando o Abade decidiu que queria ver um filme. Não queria ir para a cama cedo porque estava sem sono e apesar de eu já estar em modo zombie fiz o sacrifício e pus o filme a rolar só para não o ouvir chamar-me de cú de sono, sei agora que ele só quis mesmo foi dar-me cabo da paciência.
E se por um lado a história era cativante com alguma lógica mas que podia ter sido melhor explorada, por outro lado, ao fim de dez minutos de disparos de laser, explosões e perseguições em modo de pirilampo psicadélico começou a dar-me umas más disposições que por momentos pensei ter epilepsia e tive de fazer uma pausa. A actuação da Mila Kunis também não ajudou à festa que a correr no meio de Júpiter que ardia por todos os lados juntamente com a atmosfera a tornar-se tóxica nem uma gota de suor transpirou enquanto corria e nem um fio de cabelo desalinhou, já eu, quando eu faço trinta minutos de exercício parece que passei no meio do Olho do Katrina.
Para rematar, quando tudo não poderia piorar olho para o lado e a personagem que me impediu de ir dormir porque era muito macho-man para sucumbir ao sono estava ferrado a dormir de boca aberta e nem quando lhe mandei uma punhada no cotovelo para o acordar e bateu com a tromba no sofá foi capaz de admitir que tinha adormecido e continuou a teimar que só estava com a vista cansada naquele preciso momento.
E por último só quero aqui dizer que um filme em que um dos actores tem o último nome de um elixir bucal nunca poderá ser um sucesso de bilheteira.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Opina aqui qualquer coisinha!