...

Sei que tenho andado um pouco ausente e a razão é relativamente válida. O meu avô faleceu em Março e como podem imaginar o humor foi coisa que não abundou por estas bandas, mas como sempre, o tempo cura tudo (ou vai tentando) e lentamente as coisas estão a regressar ao que eram.
Oficialmente já não tenho avós vivos o que acaba sempre por me relembrar da nossa efemeridade neste planeta e que a morte anda de mãos dadas com a vida e por muito que achemos que estamos preparados para a partida daqueles que amamos a verdade é que dói sempre e de cada vez que um deles parte um pouco do que somos é arrancado e levado. Algo fica vazio, quebrado, por preencher mas que nunca o será.

Ambos tiveram uma vida feliz e completa e apesar de não ter nenhuma afiliação religiosa quero acreditar na reencarnação porque consola-me saber que um dia poderei reencontrar-me com aqueles que amo. Até lá fica um adeus com saudade e que nunca me esquecerei deles e todos os dias até ao fim dos meus dias me lembrarei deles e o que significaram para mim.
Não gosto de textos tristes mas precisava de escrever este para finalizar o meu luto e encerrar este capítulo. Onde quer que os meus avós estejam espero que tenham tanto orgulho em mim como eu tenho neles.

10 comentários:

  1. Os mortos são na vida os nossos vivos, andam pelos nossos passos, trazemo-los ao colo pela vida fora e só morrem connosco Florbela Espanca

    Grande beijinho com xi coração

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. enquanto forem lembrados nunca morrem!
    os meus pêsames, coragem.

    ResponderEliminar
  4. Aqueles que amamos vivem sempre no nosso coração e serão uma estrela no céu a olhar por nós!

    ResponderEliminar
  5. Embora ausentes fisicamente, estarão sempre contigo. Um abraço Didi.

    ResponderEliminar
  6. Oh! Mas olha, hão-de viver eternamente no afecto que tens por eles e nas memórias que construíram juntos. Beijinho!

    ResponderEliminar
  7. Conheço a sensação... Também perdi o meu pai, no início do ano... E ainda ando aqui a juntar os cacos (às vezes é mesmo mais aparência do que verdade, às vezes estou mesmo na merda, mas há que viver um dia de cada vez)...

    Muita força. Beijinho

    ResponderEliminar

Opina aqui qualquer coisinha!