Uma aventura digna de um filme de comédia

E se na maioria dos filmes de comédia as piadas com fotocopiadoras são demasiado óbvias para ainda terem piada já na vida real e onde eu estou incluída nada é mais possível do que o impossível. Que o diga o meu futuro-ex-colega. E digo futuro-ex-colega porque hoje fizemos uma borrada digna ficar registada para toda a eternidade, e se possível, deviam dedicar um capítulo d'Os Lusíadas à cagada que eu e o "Fernando" (nome fictício) fizemos.
Eu nem sei por onde começar pois é tão ridículo e infantil mas ao mesmo tempo tão engraçado que eu estive as duas horas seguintes a rir sem parar, mal consegui almoçar e ainda tenho dores nos maxilares. Aliás, enquanto escrevo isto estou-me a rir que nem uma atrasada mental para o ecrã.

Para vos explicar mais sucintamente: no meu emprego se há algo que adoramos é a burocracia, ela está-nos no sangue e tudo o que fazemos é minuciosamente analisado e escarafunchado por uns gajos lá no cú de judas. Tudo gira à volta de informática, de análise de documentos digitalizados, de processos e mais processos e se o meu futuro-ex-colega soubesse o que iria acontecer quando pediu ao Fernando para lhe digitalizar uns documentos para o e-mail ele teria voluntariamente cortado a própria gaita com um cutelo a ter-lhe pedido favores. Maneiras que o "Fernando" lembrou-se de enfiar a mão no vidro da fotocopiadora e fazer um pirete e eu também quis dar o meu pirete ao manifesto e digitalizamos um bonito documento com duas mãos a fazerem piças com os dedos. Eu ainda voltei atrás e meti a minha fronha dentro da impressora e digitalizei o meu perfil.

Saímos às risadas e o meu colega diz-me cheio de alegria e boa disposição que estava muito engraçado e que melhor, só mesmo a digitalização das nalgas e quando eu lhe pergunto "e a outra digitalização?" e ele me pergunta "qual outra?" é que vimos a vida (dele) a andar para trás.
Ora então o meu super, querido e eficiente-futuro-ex-colega anexou o documento sem o abrir e quando fomos pesquisar e clicamos no 'ver documento' abriu-se-nos diante dos nossos incrédulos olhos uma bela imagem, de boa qualidade e com boa pixelização de duas mãos com os dedos do meio esticados como que a sorrirem enquanto nos mandavam para o caralhete. O colega só dizia "então e agora?!" o Fernando e eu ríamos e dizíamos "então agora és despedido". Pedíamos desculpas e riamos novamente. Ainda o acusámos que a culpa afinal tinha sido dele, porque deveria ter aberto o anexo. Ele ficou a tarde amuado e de cú apertado e nós continuávamos a gozar e dizíamos que caso alguém reparasse naquilo justificaríamos que a pessoa não sabia assinar e como tal teria de ser por impressão digital.

Foi uma tarde épica em que qualquer semelhança desta história com a realidade não é ficção e se alguém descobrir esse maravilhoso anexo é porque trabalhamos para os mesmos tipos e é favor não se descoserem.

14 comentários:

  1. Respostas
    1. São cenas que acontecem... mas que teve um granda piadão teve :D

      Eliminar
  2. Soltei uma valente gargalhada!!!
    Hilariante... esperemos que o moço não seja despedido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha se for é para abrir a pestana e abrir anexos :D

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Acho que o meu futuro-ex-colega não achou muito fixolas!

      Eliminar
  4. Ahaha espero que o gajo que vai abrir o mail tenha sentido de humor...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh quem é que não iria rir-se ao ver uma coisa daquelas! Se me calhasse a mim eu até chamava o departamento inteiro para se rir comigo.

      Eliminar
  5. Opá, tão bom!! Giro giro era ver a cara do gajo que abriu o anexo, deve ter caído da cadeira :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou não, se calhar ninguém pega naqulo... mas era tão bom que pegassem loool

      Eliminar

Opina aqui qualquer coisinha!