O mês Não

A maioria da população tem um dia Não. Eu vou mais além e tenho um mês Não.
Ora um mês Não é aquele mês que deveria ser removido do calendário do corrente ano, salvava o ano e salvava muitas dores de cabeça ao mesmo tempo.
Fevereiro é o mês dos falecimentos. Faleceu a minha avó. Faleceu um tio do Abade e vamos la ver quem é que mais falece uma vez que ainda faltam dois dias para o final do mês.
Depois, algures ali no dia vinte e tal pensei que o Fevereiro até se estava a decidir ser um porreiraço comigo porque finalmente deixou-me comprar a minha Canon. Mas eis que seis dias depois decidiu armar-se em parvo outra vez. Não me pode ver mais alegre e bem disposta e fez-me mandar um grande tralho do meio das rochas na Ericeira. E conseguir endireitar-me? Era o endireitas. Andei ali a patinar a patinar e não conseguia sair daqui... aqueles lismos escorregavam tanto como azeite no meio de uma berlaitada. A única coisa que me recordo assim que senti o pé a fugir foi 'ai a máquina não' e a seguir aterrei. Podiam ir os dentes, podiam ir os dedinhos o resto não, senão nunca me perdoaria.
No meio disto tudo lá consegui afastar-me daquela langonha saindo apenas com o joelho e o orgulho feridos.
É que nunca mais volto à Ericeira que hoje ia sendo o terceiro falecimento do mês!

12 comentários:

  1. Comecei o ano a atirar sal grosso para trás das costas.. se não fizer bem, mal também não faz!
    Tu devias fazer o mesmo..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na próxima passagem de ano vou tomar o teu conselho e vou atirar um saco de sal marinho para trás das costas.

      Eliminar
  2. Fevereiro também costuma ser um mês muita cabrão para mim.. mas o teu tá a ser épicamente mau :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É. As coisas comigo não têm meio termo, ou são muita más ou são mais ou menos boas hahahaha

      Eliminar
  3. Respostas
    1. É o que eu digo. Fevereiro é mês da Ceifa... irra!

      Eliminar
  4. Bem... Só o meu Fevereiro é que não está a correr assim tão mal quanto isso?

    E entendo essa cena de preferires que fossem os dentes ou os dedos em vez da máquina. Também sou assim... e depois penso "Rui Pi, deixa de ser materialista fáchabor!" e depois penso "Mas um joelho esmurrado cura-se mais rapidamente do que ganhas dinheiro para compensar a perda material" e depois penso "Rui Pi, para a próxima tem cuidado e salvas ambos os três: joelho, material e orgulho!".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Para a próxima vou tentar salvar os três (salve seja). Vi a minha vida a andar para trás.

      Eliminar
  5. Didi, tu caminha por lugares seguros que gosto muito de ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu prometo. Eu juro. Nunca mais vou para as rochas. Só quando for tempo de praia e sem máquina :-D.

      Eliminar
  6. A minha máquina caiu ao rio.
    Partiu-se máquina e lente!
    Andei 2 meses sem máquina!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase que consigo sentir a tua dor, a tua agonia ao veres a máquina esbardalhada no rio. Eu atirava-me com ela e afogava-me, é muita dor para sobreviver!

      Eliminar

Opina aqui qualquer coisinha!