Adeus Avó

Não consigo perceber como é que em menos de um ano passaste de uma pessoa saudável, apenas com início de demência, próprio do avanço da idade a uma pessoa acamada que falava comigo não me reconhecendo e que me dizia 'eu gosto muito da Diana, queria ir para casa dela mas sei que ela não pode ficar comigo'... partiu-me o coração ouvir isto da minha avó, de uma pessoa outrora roliça, bonita,  agora magra, acamada, amarrada da cintura para baixo, de fralda. Partiu-me o coração vê-la a definhar sempre que a ia ver.
Ela nunca deveria ter sido arrancada da sua casinha, nunca deveria ter sido arrancada do seu mundo, das suas gatinhas, dos seus vizinhos... mataram-na.
Hoje ao sair de casa para a ir ver ao lar recebo uma ligação do meu pai a dizer que ela tinha falecido há dez minutos atrás. Só pedia que tivesse aguentado mais uma hora, o tempo suficiente de eu a ver com vida. Sei que ela já não estava bem. Ontem já tinha tido um avc, o coração falhava e a pneumonia não ajudava. Das urgências mandaram-na de volta para morrer em casa. Custa-me a aceitar, mas compreendo, é a lei da vida e não há necessidade de prolongar o sofrimento de alguém quando sabemos que não vai ficar curada.
Mas ainda assim apenas queria vê-la viva. Dar-lhe a mão. Chorar junto a ela. Mas agora perdi-a e nunca mais a vou ver.

16 comentários:

  1. :( sinto muito, Di. Não há muito que se possa dizer nestas horas.... fica um abraço apertado **

    ResponderEliminar
  2. Sinto muito... :(

    Um abraço forte, querida...

    ResponderEliminar
  3. Eu prefiro acreditar que de certa maneira continuam connosco, sempre que preciso falo com a minha avó. Só cliches talvez, mas ajuda. A vida estraga-nos e certas pessoas ainda mais. Muita força Didi <3

    ResponderEliminar
  4. lamento o que aconteceu, mas como dizes é a lei da vida. a tua avó estará sempre contigo, nas tuas memórias, nas coisas que aprendeste com ela.
    força.

    ResponderEliminar
  5. Os meus sentimentos Diana.
    Sei bem o que é a demência, e sei bem o que é lidar com um caso destes, por isso sei o que sentes.
    Muita força *

    ResponderEliminar
  6. A dor vai passar e as boas lembraças irão fazer-te sorrir.
    beijo

    ResponderEliminar
  7. Sinto muito! Todas as histórias bonitas têm um fim, este foi o dela. Pensa nos bons momentos que tiveram juntas. Um abraço :)

    ResponderEliminar
  8. Nestes momentos faltam as palavras...
    Um abraço apertado...

    Força, por ti e por ela.

    ResponderEliminar
  9. Um beijinho minha Didi, nunca há o que dizer nestas alturas, bem o sei.

    ResponderEliminar
  10. Quando foi com o meu pai reconfortou-me saber que não sofria mais.. porque aquele também já não era o meu pai! Força miga!!! beijinho grande

    ResponderEliminar
  11. Escreveu o MST quando a sua mãe Sophia de Mello Breyner faleceu:

    "... E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre."

    Um beijo

    ResponderEliminar
  12. Lamento muito Di :( infelizmente também já perdi as duas avós e uma delas também foi arrancada para um lar por causa de um acidente estupido nas vindimas que a deixou sem andar :( e isso deu cabo dela também :( beijinho e força!

    ResponderEliminar
  13. Que horro Diana, sinto muito. Só vi isto agora. :/

    ResponderEliminar

Opina aqui qualquer coisinha!