Ainda estou à espera do Karma

Quatro meses depois deste post "Onde é que anda o Karma" continuo à espera desse cabrão.
Quatro meses se passaram desde que eu vi os meus avós e penso que a próxima vez que os irei ver será quando um dos dois morrer. Continuo com um ódio de morte à pessoa que se intitula meu pai, mas neste momento o que mais me dói é a desilusão que sinto pelo meu avô, ele que dizia que eu era a sua netinha querida, desde que foi para casa do filho nunca mais me telefonou e da única vez que liguei tratou-me com uma indiferença tão grande ao ponto de eu, com uma pilha de nervos, lhe dizer que ele parecia uma criança de 12 anos que não sabia o que queria.
A minha avó pelo que sei continua com demência e a achar que a situação é temporária e que dali a dois dias volta para a casinha dela. Pergunta pela neta. Porque é que agora nunca a vem ver. Pergunta pelas gatinhas. Onde estão? Porque é que não estão com ela. E o cacto? Pede pelo menos por dois dias trazerem o cacto para junto dela algo que lhe lembre da casa. Tudo perante uma resposta fria de que não o trazem e para esquecer as gatas. Quando tem ataques de lucidez, a minha avó chora porque se apercebe que já não tem nada seu e imediatamente dão-lhe Lorazepam para a acalmar, dizem eles.
Eu poderia ligar para a minha avó, mas ou tem o telemóvel desligado ou quando está ligado quem atende é o meu avô e nunca consigo falar com ela sem estar outra pessoa à escuta. É difícil e complicado porque não tenho por onde me mexer para falar e estar com ela.
As gatas foram despejadas para uma parente minha com a desculpa de ser só durante quinze dias que iam de férias para o norte, quando chegaram ligaram-lhe e disseram para fazer o que quisesse com elas porque não as iam levar, largam pêlo. Ainda bem que essa parente tem bom coração que perante a situação ficou com as gatas porque era incapaz de as abater (sugestão da besta do meu pai) ou abandoná-las.
O meu avô é tão cego ao ponto de não se aperceber que o único motivo porque o filho e a nora os levaram para casa deles foi o dinheiro porque felizmente (ou infelizmente) têm uma boa reforma. Os meus avós poderiam estar perfeitamente tranquilos na sua casa. Contratavam uma empregada-a-dias, não teriam de estar sobre o controlo de ninguém e a minha avó não se sentiria tão desamparada.
Quatro meses depois e o meu avô continua sem me ligar, sem uma notícia, tudo o que sei é porque consigo descobrir, porque eu só não descubro o que não quero mas quanto mais descubro mais desiludida fico.

15 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim, o meu post poderia resumir-se a esse tristonho... é verdade.

      Eliminar
  2. Incrível como estes problemas têm sempre interesse/dinheiro metido pelo meio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é verdade, se os meus avós não tivessem onde cair mortos o meu pai nunca, mas é que nunca os levava para casa deles. Agora como vivem bem, o dinheirinho deles está sempre a escorrer com a desculpa do "ó pai, vocês também comem e gastam electricidade".

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Obrigada :). É complicado, mas como tudo na vida há-de passar.

      Eliminar
  4. É mais uma história triste de seres que se dizem humanos e que nem a quem os pôs no mundo tratam com dignidade.
    Merda de mundo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está tudo ao contrário. Já não há valores.

      Eliminar
  5. Caramba, querida. Isso é que foi doloroso.

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. A bem ou a mal, tudo se resolve. Isso é verdade.

      Eliminar
  7. Tenho uma avó com 94 e outra com 80, ambas lúcidas e bem de saúde. A de 94 anos ainda à pouco tempo atrás passou a tarde a lavar roupa no tanque, a outra mete-se a plantar batatas e outros legumes. Isto pode parecer muito mau, mas prefiro que lhes dê qq coisinha e que morram do que ficarem dependentes dos filhos... E espero que me aconteça o mesmo quando eu for velha!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ficar dependente dos filhos é muito mau. Mas a minha avó mexia-se bem, fazia as suas coisinhas só que andava meio esquecida e inventava coisas (demência), não era razão para ficar já fechada na casa do filho. Isto é feio de se dizer, mas era preferível ela ir para um lar, ao menos socializada mais com pessoas e eu podia ir vê-la.

      Eliminar
  8. Bem...nem sei o que te diga.
    Infelizmente parece que em todas as família existe um traste que lixa tudo a todos e nunca está satisfeito com a sua vidinha sem estar a estragar a dos outros.

    Só conseguimos aguentar a pressão psicológica até a um certo ponto, não passes desse ponto para baixo, chérie.

    ResponderEliminar
  9. Ás vezes penso o que me espera a mim quando chegar à idade dos nossos avós.... é mesmo melhor fiar-me no Karma... :S

    ResponderEliminar

Opina aqui qualquer coisinha!