Deixem-me ser uma mártir do consumismo. Eu aguento! Juro que aguento.

Eu não precisava. Mas uma vozinha dentro de mim que já há muito que não se manifestava decidiu que a Black Friday era o momento oportuno para comprar algo que eu não precisava para nada e foi nesta ideia que surgiu a ideia de adquirir um tablet, uma coisa entre um telemóvel e um computador portátil, extremamente inútil mas incrivelmente fofa.
E, se de início, fiquei na dúvida sobre a utilidade de um tablet agora tenho mesmo a certeza que é deveras importante para os meus momentos de reflexão na casa de banho onde às vezes o telemóvel me falhava porque as peças do Candy Crush são um bocadinho pequenas e perdi algumas vidas devido a isso.
Mas como eu já sei como sou, assim que o paguei e saí de saquinho na mão, olhei para o Abade e decidi que era nele que iria pôr as culpas do meu consumismo, e disse-lhe tranquilamente 'sabes morzinho, eu comprei isto mas não é só para mim, é também para ti. Para o levares para o trabalho quando der futebol para veres, porque eu sei que gostas. Isto é para os dois'.
Ora, quem tem o prazer de me conhecer repara logo nos cinco primeiros minutos que eu abomino desporto, mais concretamente futebol. Por isso, assim que eu disse esta frase o Abade viu a vida a andar para trás.
Eu, logo eu, que quando tenho um gadget informático novo em folha nas minhas mãos até durmo com ele e dou-lhe beijinhos, dei por mim a empurrar o tablet para o moço, entre uns 'vááá, leva. Eu sei que dá futebol' e uns 'não posso, não tenho tempo para ver isso no trabalho' lá consegui obrigá-lo a levar o tablet para o trabalho e fiquei a tarde toda a chorar a ausência dele. Do tablet, diga-se.
Ele acabou por não ver nada, mas eu fiquei com a consciência mais leve. Tão leve que eu achei que devia dar-lhe um bocadinho mais de peso. E o que é que eu fiz? Fui dar 30€ por uma capinha extremamente inútil, mas tal como o tablet, incrívelmente fofa.
Tenho agora de obrigar o Abade a utilizar mais uma vez o aparelho porque a minha consciência está ao nível dos pés e eu não consigo dormir descansada.

Querem segredos? Eu dou-vos segredos escandalosos

Existe por aí um blog que reúne segredos ditos em forma de post, parece que a malta escreve os podres através do e-mail, enviam, eles colam o texto numa imagem e publicam, todos sabemos que blog é mas não me está a apetecer fazer publicidade gratuita até porque não me pagam para isso.
Ora, isto é um conceito que não me entra na cabeça porque eu sou uma boca de trapos e não consigo guardar segredos muito bem e, se às vezes, o simples facto de manter a boca fechada sobre a prenda ou surpresa de alguém é coisa para me deixar com palpitações eu nem quero imaginar o que é viver com um segredo durante uma vida. Maneiras que decidi compilar aqui alguns dos meus segredos que não são segredos, porque eu não tenho segredos mas não vou usar imagens paneleiras porque isso já roça o indecente e eu sou uma moça com alto sentido estético.

Segredo 1: Quando era miúda queria ter bigode. Ficava fascinada com o meu avô a fazer o bigode com a gilette até ao dia em que ele virou costas eu agarrei na dita, fiz o buço e cortei-me. Ganhei uma cicatriz, uma palmada na peida e uma história gira. Hoje sou adulta e só queria que este filho da mãe desaparecesse!

Segredo 2: Descobri no guarda-fatos dos meus pais uma cassete chamada Labirinto Anal. Lampeira como sou, pensei que fosse um jogo e toca de por no leitor. Fiquei a saber que o cú serve para mais coisas do que para cagar. Estive de trombas três dias com os meus pais até que lhes contei e apanhei uma palmada na peida por mexer onde não devia.

Segredo 3: Adoro experimentar sensações novas. A melhor delas foi juntar os atacadores de ambos os ténis e começar a descer escadas. Escusado será dizer que vim por ali abaixo e só parei depois de comer as escadas todas com as costas. Desde aí comecei a ter atenção, evito-me de fazer desportos e... levei uma palmada na peida.

Se eu quisesse conseguia descobrir ainda mais coisas secretamente estúpidas da minha vida, mas vocês ficariam com uma ideia pior do que já têm sobre mim. Assim sendo, eu vou revelando informações preciosas aos poucos, para que vós, meus coscuvilheiros, tenham tempo de digerirem a informação e continuarem a achar que eu sou impecável.

Facebook: a aplicação que resolve problemas que não teríamos se ela própria não existisse

Assumo. Eu sou daquelas personagens dependentes das redes sociais. A última coisa que faço antes de dormir e a primeira depois de acordar é ligar os dados móveis e poluir o face com publicações extremamente desnecessárias para o resto da humanidade, mas que mesmo assim, eu sinto-me na obrigação de as partilhar.
Preciso do facebook para viver como quem precisa de papel higiénico, mas se por um lado as redes sociais têm muitas coisas boas (não sei bem o quê, mas pronto) as más também não se ficam nada atrás.
Por exemplo; quem tem blogs tem quase sempre os anónimos "fofinhos" que tiram uma pessoa do sério, coisa que eu gostaria de ter mas que por algum motivo ninguém quer embirrar comigo mas em contrapartida eu tenho as chagas no facebook. Autênticos chatos que não reparam quando estão a ser extremamente incovenientes e burros que nem portas. Chagas essas, que, mesmo rejeitando os pedidos de amizade e não respondendo às mensagens claramente de engate continuam a insistir. Possivelmente são daquelas personagens que acham que quando uma mulher diz que 'não', na realidade ela quer dizer 'sim'. E quando chegam à conclusão que não vão levar resposta atiram um 'és tão mal educada' e um 'devias levar umas palmadas'. Eu admito. Gosto de um spanking, mas vamos lá ter calma que eu não dou a nalga a qualquer um.
Ora, chamarem-me mal educada é coisa para me fazer perder a paciência em dois segundos e libertar a parvalhona que há em mim. Dito isto, senti-me à beira da loucura e bloqueei o gajo. Enlouqueci!
Há quem goste de fazer bungee jumping, snowboard, levar no cú, tudo para libertar a adrenalina no sangue. Mas eu cá gosto é de bloquear a malta e ficar-me a rir maquiavélicamente sozinha por ser uma pessoa tão malvada.
O que me chateia nisto, é que eu até me considero uma porreiraça, pessoa de bom trato e bem disposta, mas se há coisa que nunca consegui suportar são os D. Juans mal-amados de Portugal. Às vezes questiono-me como é que deixei o Abade lançar a escada, eu devia estar num dia bom. Mas também as nossas primeiras palavras foram extremamente românticas com ele a pisar-me o pé e pedir-me desculpa e eu dizer-lhe um 'não desculpo' seguido de um 'olha vamos ali à Worten para eu comprar o CD dos Comme Restus?'
Obrigado facebook. Obrigado por teres essa maravilhosa opção de bloqueio que nunca seria necessária caso tu não existisses. Um dia destes fecho a minha conta. Um dia... mas hoje não é o dia que eu ainda tenho de ir partilhar coisas desnecessárias com a minha gente.

Mais uma Alienoidz

Nunca mais direi mal dos programas da manhã dos quatro canais públicos, pois se não fosse a RTP 1 com as seus eventos nas santas terrinhas e afins eu nunca teria conhecido uma banda que me deixou de boca aberta.
Já ouviram falar de NOIDZ? Não? Pois eu também não, até meados de Outubro deste ano, quando o Abade a fazer zapping ficou estático quando viu uma banda que misturava estilos que nada têm a ver uns com os outros e que talvez por isso seja assim tão cativante. Uma banda que junta Metal, Trance, gaita de foles, guitarra portuguesa e ainda Fado. E quem disse que não se junta Fado com Metal? Ai junta-se! Junta-se! E fica uma mistura que me fez tirar o CD de Metallica do carro, por ser um som tão inovador que é impossível não gostar.

E antes que pensem 'ah e tal estás a fazer grande propaganda, deves ser a manager' eu vos digo que era bom era, seus malandros. Era sinal que podia andar com eles para todo o lado, mas não. Apenas acho que o talento e originalidade devem ser partilhados, ainda para mais quando se trata de uma banda portuguesa.
Para além do mais, o conceito deles é bastante original. São extraterrestres que fugiram à destruição do seu planeta e aterram na Terra para partilhar a sua sabedoria através do seu som inovador.

Bem vindos ao planeta NOIDZ.

E tu Didi? O que foste tu nas vidas passadas?

Garimpeira! Fui garimpeira no Velho Oeste com toda a certeza!
Há quem queira acreditar que foi princesa, rei, faraó, artista, mecenas, prostituta, rabicholas... mas eu cá sou muito terra-a-terra e sei perfeitamente qual foi a minha profissão passada. É que nem valeu a pena tentar a minha sorte nos jogos de grande credibilidade do facebook que garantem o resultado com 99,9999% de certezas porque estou tão convicta do que fui que nada abalará a minha fé. Até porque ainda me diziam que eu era uma dona de casa exemplar e dedicada aos filhos e eu acabava já aqui com o meu sofrimento kármico.
E se pensam vós que eu era garimpeira por causa da minha paixão por ouro e pedras preciosas estão vocês bem enganados. Porque apesar de eu dar o cú e oito tostões por bens materiais, há um dom eterno que me acompanha de outras vidas em que a palavra chave é: cocó.
Eu peneiro tão bem os cagalhotos dos meus felinos como peneirava ouro e com tanta mestria que isto seria impossível de se adquirir numa vida. Seriam precisas pelo menos duas encarnações a fazer o mesmo e um part-time de uma terceira encarnação para suportar o pivete de merda com tanto estilo que quem vê por fora diria que estava a cheirar chocolate (bem, lá castanho ele é...).
Todos nós temos uma tarefa a cumprir neste planeta, a minha é limpar merda dos outros. E por falar nisso, os meus gatos já estão todos lado a lado a colocarem-me pressão para ir efectuar o ritual de limpezas da cagadeira deles, mas que grandes cabrões que estes gajos me saíram!
Agora que penso bem neste assunto, se calhar, não fui garimpeira. Cá para mim fui uma escrava que é o que estes filhos de uma gaita fazem de mim.

O meu querido chaçomobile

Eu admito que sempre fui uma tipa com um fraquinho por latas velhas. Há quem goste de andar montado em grandes carros mas o que eu gosto mesmo é que me montem e de andar com carros podres. Passar por grandes máquinas encostadas à berma da estrada com a centralina avariada, ou porque aqueceram um bocadinho mais do que é suposto e eu a passo por eles a cagar lume a vinte à hora.
Adiante. Uns cem anos depois tirei a carta e também eu arranjei um chaço amoroso com quem compartilhar o meu coração. Um Twingo com um médio e um stop fundido e a luz do habitáculo também fundida. Sem o tampo da gasolina, com uma teia de aranha de estimação no espelho retrovisor lateral e um sem fim de riscos do lado direito, fruto da condução espectacular do meu avô (pensavam que tinha sido eu, não?) Um vidro que se o baixar totalmente quando está muita humidade já não fecha sem o carro aquecer, por isso conseguem imaginar no Inverno gelado eu de janela aberta a apanhar com chuva e vento na tromba? Conseguem? Ainda bem. Porque eu fico tão gelada dos miolos que não consigo.

Mas uma coisa o meu carro tem que muitos topos de gama não têm (quem disser o contrário, agradeço que deixe o e-mail para que eu possa ofender). Se eu ousar abrir uma porta e tiver os faróis acesos, o meu twingo desata numa chiadeira que acorda a malta daqui até ao Paquistão. Pode ter muitos defeitos, mas nunca me deixará pendurada por falta de bateria porque no dia anterior me esqueci de desligar as luzes. É mais que óbvio que o Michael Bay se inspirou num Twingo para criar o filme dos Transformers.

E porque é que me lembrei duma cena tão desnecessária como isto? Como eu sou uma moça porreira eu até vos digo. É que hoje quando estacionei estava um BMW com as luzes ligadas e eu fiquei orgulhosa da minha latinha que nunca me deixaria fazer uma burrice dessas.
Eu até que poderia andar com o meu Juke. Podia. Mas não era a mesma coisa porque eu sou devota a cenas vintage. Espero que agora que fiz este texto a elogiar o meu Twingonáites o gajo amanhã não se lembre de me desiludir e se entretanto algum dos meus leitores trabalhar no centro de inspecções lembrem-se que eu sou uma tipa porreiraça e não me chumbem o mono.

Didi e o emigrante

Como é que eu hei-de por isto sem parecer uma besta sem coração e xenófoba? Talvez, dizendo que odeio aqueles emigrantes que são parasitas da sociedade. Daqueles que só vêm para cá para roubar, viver às custas o estado e perturbar a nossa tranquilidade.
E se já de mim quando vejo esses parasitas quase que os fulmino com o olhar então quando se metem comigo no meu local de trabalho deixam-me a borbulhar de ódio e se pudesse vomitava-lhes em cima e mandava-lhes um pontapé no bucho.
Se por um lado, ucranianos e russos, em geral são gente trabalhadora já os romenos e búlgaros fazem questão de contribuir para o aumento da xenofobia com a suas atitudes.
Maneiras que estou eu, como sempre, no meu trabalho e o meu colega chama uma senha e vêm de lá quatro búlgaros. O meu colega começa a tratar do assunto com um e o outro abeira-se de mim e diz-me:
Tens facebook? - Não
Estás a mentir. - Não estou.
Dá-me o teu número de telemóvel. - Não
Porquê? - Porque não.
És casada? - Sou.
Mentirosa.
Encolhi os ombros e não lhe respondi mais. Lá se foi embora, mas não sem antes me dizer que foi chateado comigo porque não lhe dei o meu número. Eu cá gostava mesmo era que esta malta tivesse esta inteligência para trabalhar como têm para a malandragem.
Bem, mas nada ultrapassa o cliente que perguntou se eu aceitava dinheiro a troco de uma noite bem passada... é o que eu digo, eu acho que o termo "clientes" traz uma outra realidade ao meu trabalho.
Que malucos é que irei encontrar hoje?

Coisas extremamente banais que me afligem #1

Ainda me lembro da altura em que eu era mais feliz era quando os ténis tinham velcro. Depois a moda acabou, ficaram os atacadores e partir daí eu nunca mais fui a mesma.
Há quem tenha medo de cobras e ratazanas, eu tenho de centopeias e de atacadores. Atrevo-me a dizer que os atacadores afligem-me ainda mais, porque se eu vir uma centopeia grito, dou-lhe com um pau e fujo. Com as atacadores é outra história, porque se desato a fugir eles vêm atrás de mim e eu sou mesmo obrigada a mexer neles, caso contrário ainda aterro no chão ou tenho um acidente de viação.
Então, sempre que compro uns ténis e os malditos vêm embrulhadinhos ao lado da sola eu já sei que tenho de ir tomar dois Valdispert e um chá de camomila para os nervos. Gostava de vos explicar melhor, mas a única coisa que consigo dizer é que o facto de ter de enfiar as pontas nos buraquinhos, puxá-los e sentir os ditos a passar nos orifícios é coisa para me fazer morder os lábios, começar com palpitações, suores frios e, se estiver em pé, uma quebra de tensão. Só de imaginar já começo a ficar nervosa. E depois ter de igualar as pontas em ambos os lados é outro drama.
Tivesse eu um puto e ele havia andar sempre de meias, ou então, tinha de ser uma criança prodígio e saber atar atacadores desde tenra idade, assim, ainda o explorava e ele atava os meus. Possivelmente o puto seria-me retirado pelas assistentes sociais mas antes isso do que mexer em atacadores.
É uma sensação equiparada a cortar papelão com uma faca. Estão a perceber?! Não? Então ficam na mesma. E ficam também a saber que eu tenho uns hábitos muito estranhos.

15º mandamento: Não delegarás nada a um indivíduo do sexo masculino

Fundiu-se-me a lâmpada do tecto da casa de banho. Talvez em consequência de eu lá passar metade da minha vida útil.
Como sou uma moça para lá de atarefada pedi ao Abade para comprar uma lâmpada, mas daquelas de luz amarela para substituir a outra, porque eu recuso-me a ler banda desenhada às escuras, ou então com as luzes do espelho da casa de banho que são tão suaves que dá um arzinho a bordel badalhoco e agrava-me a miopia.
Pedi uma simples coisa. Abade. Amor da minha vida com 3 segundos de memória. Traz-me uma lâmpada amarela, sim? Sim - diz-me ele.
A meio da tarde recebo uma sms, a dizer que já tinha posto a lâmpada e para ver se eu gostava dela, caso contrario trocava-a. Mau. Para me dizer 'se eu gosto dela' é porque não é amarela. Chego a casa, vou à casa de banho. Respiro fundo e ligo a luz. E de repente. Como que por milagre sou transportada para uma ala hospitalar, para um provador de roupa ou então vinha um camião na minha direcção, não consegui distinguir muito bem. Era uma luz tão branca, mas tão branca que das duas uma ou era um OVNI ou então Fátima sempre se tinha dignado a aparecer na minha WC.
Claro está, que liguei logo para o Abade para mandar vir com ele. O moço ainda tentou defender-se que é uma lâmpada economizadora de categoria A, mas isso para mim são desculpas. Ele quer é que me dê uma síncope qualquer com o cagaço do meu reflexo e fique estatelada no chão, porque toda a gente sabe que perante uma luz branca até a mulher mais bronzeada fica branca como a cal.
Hoje vou para a cama com os dentes e o pito por lavar, não quero saber, sou jovem de mais para morrer do coração!

Ainda me faltam 3 dias até à minha folga e eu já estou assim

Eu não ando bem. Admito que ter férias só me deixou pior, sinto-me lerda, com um tempo de resposta demorado e com um distúrbio de atenção maior do que é normal, distraindo-me facilmente de uma tarefa ou linha de pensamento.
Quando os clientes... clientes, adoro esta palavra. Quando digo 'clientes' sinto-me uma prostituta de luxo a falar do seu cliente da noite passada. Tenho mesmo de arranjar um nome diferente para aqueles sacanas, talvez... cabrões. Sim. Cabrões parece-me bem. Estão a ver? Distraí-me do que ia a dizer!
Ia a dizer que o gajos pedem-me cenas e eu fico a olhar para eles com cara de parva à espera que me caia qualquer coisa do céu, quiçá um perdigoto. Já uma colega minha se queixou que lhe parece que eu estou num mundinho à parte, é possível, um mundo onde eu possa dizer-lhes tudo o que me vai na alma e ficar cinco anos mais nova, deixar de ser politicamente correcta, sem o meu sorriso amável e tom de voz de linha erótica, apetecia mesmo, mesmo tirar o rolo do multibanco e enfiar nas goelas de certas personagens até lhes saltarem os olhos das órbitas, mas não, sê fofa Didi, sê uma jóia de rapariga, acredita no positivismo e que boas coisas advêm a quem as pratica (já foste).
Já me desorientei outra vez. Mas tudo isto para dizer que eu estava a falar com uma colega minha sobre uma loja super fofa A Conto da Fadas que tem cenas mesmo amorosas e a minha colega pergunta-me que tipo de cenas. E eu digo-lhe 'cenas pá, caixas de música e aquelas cenas redondas. Globos. Aqueles globos" e vendo que ela não percebia nada do que lhe estava a dizer saio-me com um 'aqueles globos de merda, 'tás a ver?'.
Ora bem, daquilo que me fui lembrar. Imaginei-me logo a criar uma empresa na hora, graças ao Simplex (obrigada ó Sócas) sob o nome ShitGlobe com o slogan "transformamos a sua merda em sonhos" e solicitaríamos o envio de amostras sem qualquer tipo de compromisso para criarmos o seu Globo de Merda personalizado. Eu tenho originalidade, só me falta mesmo é o capital para investir, porque eu acredito piamente que o meu projecto iria ter um grande sucesso por terras lusas visto que um dia destes, pelo andar da carruagem, andamos literalmente a nadar em merda.
Quem é que se chega à frente? Ofereço 50% da sociedade.

Tenho para mim que me querem matar

Mas que sol demoníaco é este que quando de manhã fui apanhar a roupa levei com ele na tromba e tive de andar 1 metro para trás e resguardar-me na sombra? Já não está na altura de começar a chegar o frio intenso para eu usar o meu gorro fofo? Isto é obra do demónio.
Mas adiante. Isto para dizer que na segunda feira fui andar de bina mas cometi o erro de beber um café antes. Eram 14h00 e depois do almoço cai sempre bem um café. Lá fomos. Peço à moça dois cafés e um copinho de água. Eu não sei o que é que ela percebeu, se foi um café com um pinguinho ou um café com leitinho o que é certo é que a vi a despejar uma coisa para um café mas não liguei, pensei que não fosse o meu.
Ela traz os cafés e quando vejo que se esqueceu do copo de água e reparo no café mais claro do que é costume vi a minha vida a andar para trás, mas tive vergonha. Bebi e não disse nada, afinal todos temos o direito a errar, especialmente quando eu sei que às vezes falo para dentro e ninguém me percebe.
Bem, foram os 20 kilómetros mais longos de toda a minha vida e não consegui mais. Ora mexia-me para um lado, ora para o outro, ora apertava a barriga, ora rezava 10 pais-nossos para que, por favor, não me deixassem borrar toda em cima do selim. Tinha a opção de obrar numa casa de banho pública quando passasse por uma, mas essa opção está completamente fora de questão, porque eu só cago na minha casa de banho imaculada. É uma fobia inexplicável pensar que me sento numa sanita badalhoca e depois vem aquela pinguinha de aviso de recepção que me toca na nalga e é coisa para me deixar a pensar o resto da semana que apanhei sífilis numa casa de banho porcalhota. Portanto, posso estar a aflita durante oito horas de trabalho, mas aguento, só me borro em casa e não sei porquê, tenho sempre tendência a piorar quando meto a chave na fechadura, não sei como é que nunca me escagaçei no tapete da entrada.
Mas foi complicado, principalmente com os solavancos, mas lá consegui chegar com as calças (e o orgulho) limpas, tudo para sentar-me no trono e ouvir um PFFFFF e ficar sem vontade de fazer mais nada.
Olhem, café antes de andar de bicicleta? É que nunca mais, que eu cá não quero morrer no meio de monte.

Cromos de uma vida

Depois de estar quinze dias de férias e de chinelo no pé lembrei-me de que precisava urgentemente de uns ténis, estava era longe de imaginar que ao ir à Sportzone iria cruzar-me com um dos maiores cromos do cosmos.
Que dizer do moço? Bem, ao longe até parecia ser uma pessoa competente até ao momento em que ele abriu a boca, aliás, até ao momento em que respirou.
Começou com a minha amiga, a famigerada Iny (a javardolas que lê este blog mas que nunca comenta), ao ver que o tipo não me ligava patavina ousou dizer 'Boa tarde, pode ajudar-nos?' O que é que ela foi dizer! O gajo, que ia a andar em passo de corrida a ver se ninguém reparava nele, pára imediatamente. E de costas voltadas para nós vira a cabeça a 180 graus, qual Chuck o Boneco Diabólico e quando a Iny lhe pergunta 'Tem este modelo no 37?' Ele dá um redondo 'Não', tão rápido, que eu nem soube o que me atingiu.
Eu, que até então, tinha ficado muda com a simpatia dele, digo-lhe que pretendia ver o 38 porque há umas formas maiores do que as outras. Ele olha-me de soslaio, eu quero acreditar que ele estava rever mentalmente os números mas tenho a certeza que ele estava era a mandar-nos à merda mentalmente. Eu faço o meu olhar de cachorro abandonado, e ele diz-me que 'Acho que sim' e acompanha-nos até ao sítio onde os ténis estavam.
Ele chega. Pára. Olha para cima. Olha para baixo. Fica de olhar fixo no infinito. E de repente lança as mãos à cabeça em sinal de desespero, como se tivesse descoberto que afinal não havia o 38 e o mundo iria acabar porque disse uma informação errada e fica assim uns bons segundos. Eu fiquei com a sensação que a qualquer momento ele ia lançar-me as mãos ao pescoço e apertar-me o pipo, mas não. Encontrou a caixa, entregou-ma e disse com a maior convicção e descontracção do mundo a apontar para a fonte da cabeça com o dedo indicador 'Isto aqui é melhor do que um computador! Nunca falha!' e dito isto, abandonou-nos.
Ficámos as duas especadas, eu de caixa na mão, um pé calçado e o outro descalço, a Iny de chapéu de chuva numa mão e mala pendurada na outra, a olharmos uma para a outra como se de um filme romântico se tratasse, onde tínhamos acabado de ser abandonadas pelos nossos namorados numa noite de chuva e trovoada.
Menos mal, que os ténis serviram. E com isto tudo vocês ficaram a saber o tamanho da minha pata e que a Sportzone aqui da minha zona tem um tratamento de excelência.

Hmpf...

Hoje é o meu penúltimo dia de férias e só me apetece atirar-me para a frente de um carro para ficar mais uns dias em casa a trabalhar para o ócio.
Lá vou eu entrar em modo piloto automático, com as respostas monocórdicas de sempre. Sim. Não. Talvez. Em princípio. Vá para a púncia. Tem de aguardar a resposta.
Gostava de trabalhar numa morgue, ou numa funerária. As coisas são calmas. As pessoas não estão vivas. Podia ouvir uma música e podia pintar as unhas da cor que bem me apetecesse. O máximo de interacção com humanos seria para dizer "lamento imenso" ou "compreendo perfeitamente a sua situação" frases que já digo vezes e vezes sem conta com a diferença que se calhar começavam a ser ditas com intenção. Precisava mesmo de um trabalho novo, mas a culpa é minha. Acomodo-me. Porque vejo o panorama tão negro que vou mudar para quê? Para ser mais explorada? Deixo-me estar onde estou, ao menos gosto dos meus colegas.
Estou deprimida, mas também sei que na quarta-feira assim que começar a trabalhar esta depressão passa e eu transformo-me, porque apercebo-me que gosto de lidar com pessoas, que se aprende bastante e de bónus ainda sabemos de histórias engraçadas.
Acho que o meu problema é que não gosto mesmo de trabalhar e só me lembro disso quando estou de férias.

Are you alive? How does it feel to be alive?

Como colocar em palavras aquilo que não é possível colocar? Talvez começando por dizer que nunca fui fã de Metallica, conhecia a Entersandman e a Nothing Else Matters e bastava-me.
É certo que nunca tive a inclinação da moda para o rap, pops e afins. Na adolescência sempre fui mais ligada ao punk, destacando-se Offspring e Pennywise, e numa outra vertente, adorava (e adoro) Pink Floyd, Queen, Deep Purple, Guns entre outros do mesmo género. Mas a verdade é que depois de ter conhecido o Abade tudo mudou. Posso dizer que conhecê-lo fez-me evoluir musicalmente e em assuntos paneleiros do coração também, mas isso são conversas demasiado rabetas para este post.
Como sou dotada de um bom mau feitio, quando ele começou a tentar converter-me a um Metal mais pesado a minha primeira reacção foi resistir, não gosto da mudança, de sair da minha zona de conforto. Não gostava, era muito barulho, a voz do James irritava-me e também não ajudava o facto de o Abade tentar fazer-me gostar daquilo com a música em altos berros com uma distorção enorme. Mas por ele decidi dar uma segunda oportunidade a Metallica. Cheguei a casa e comecei a pôr os álbuns, um a um, no discman e depois de os ouvir, renasci. De repente, Offspring e Pennywise pareciam-me um bando de putos a dar ali umas guitarradas malucas à toa. De repente, tudo aquilo que eu tinha gostado desde que me lembrava até aos 20 anos tinha mudado. De repente, a minha verdade tinha mudado e eu não podia fazer nada contra isso.
E assim mantenho-me até hoje. Não consigo viver sem Metallica e não consigo ouvir um álbum no volume baixo. Posso dizer que é a minha religião e o James Hetfield o meu deus, porque a música que eles criam não é música, é vida. Cada acorde, cada rift, cada timbre na voz do James arrepiam-me desde a ponta do cabelo à ponta dos dedos dos pés. E desde aí nunca perdi um concerto deles em Portugal. E se no outro dia até tinha agradecido o facto de não ter gasto 10€ no bilhete para ir ao cinema, hoje digo exactamente o inverso, e vou repetir a experiência.
O que dizer de Metallica: Through the Never? Que é uma experiência extra-sensorial. Eu não vi um concerto, eu fui transportada para dentro de um. Eu estive lado a lado com cada membro da banda. Foi uma experiência surreal, maravilhosa e nítida com uma qualidade de som espectacular.
Acho que ontem deixei o meu coração na sala IMAX do Colombo e hoje tenho de regressar para o ir buscar.

Ódio, muito ódio que por aqui anda

Se as Sextas-Feiras 13, fossem às Quintas-feiras 26 eu diria com todo o gosto que isto é um dia de azar.
Sinceramente, eu acho que isto foi agoiro do Abade que gozou hoje o seu último dia de férias, estando o dia inteiro a lamentar-se que eu ainda estava de férias até segunda, mas eu não lhe posso dizer isto directamente senão apanho no focinho. Adiante.
Quando hoje me levantei estava cheia de força, tinha as pernas eléctricas e o pito assado dos 15km que andei de bina sem que me saltasse um pulmão pela boca com o cansaço, por isso sentia-me impecável. Já tínhamos programado ir ao Colombo ver o filme Metallica: Through de Never e apesar de estar em pulgas para ver qualquer coisa relacionada com Metallica não me estava nada a agradar largar 10€ por um bilhete de cinema IMAX, que é como quem diz, uma forma elegante de roubar dinheiro. Mas, apesar disso estava entusiasmada. Lá fomos, estacionámos o carro longe para burro, como daqui a Belas, tudo para não pagar parquímetro porque já que me iam enrabar no bilhete não me iam enrabar no parque. De qualquer das maneiras fui enrabada à mesma porque ao chegar à bilheteira e abro a carteira o cartão multibanco não estava. Gastei gasóleo para ir ao Colombo porque a treta do filme apenas está disponível em IMAX e na volta, toma, voltas para casa e não bufas.
Chegados ao destino, olho de esguelha para o meu Twingo e vejo algo diferente! Foda-se! Roubaram-me o tampo da gasolina. Que cabrões! Fiquei 5 minutos a olhar para o carro a repetir "Não acredito que me roubaram aquilo. Não acredito que me roubaram aquilo". Parecia uma atrasadinha mental é que o que era. Mas como eu não sou de me ficar, sei que existem mais dois twingos aqui na zona e fui à procura deles mas ambos eram de cor diferente e tinham o respectivo tampo. Como se isto não bastasse ia levando com um ramo nos cornos com esta ventania que se faz sentir por aqui. Ainda fiquei 5 minutos a olhar para a árvore a pensar se a mandava para um certo sítio, ou não. Achei melhor não abusar da sorte não fosse cair-me um cagalhão de pombo mesmo no meio dos olhos.
Quando pensei que era impossível estragarem-me mais o dia, o que é que eu vejo?! Um anúncio dos ladrões da EDP que me deixou a pensar se lhes havia de mandar um e-mail a mandá-los para a piça ou não.
Mas que merda de anúncio é aquele que acha que a diversão para um homem se centra no trabalho e em diversão e a da mulher em trabalho e na família?! Mas que anúncio machista é aquele??!! Espero que os gajos do marketing tenham hemorróidas até à terceira geração e daquelas grossas e bem saídas da casca (ou neste caso, do cú).
E digo mais! Eu, que sempre paguei tudo certo e a horas àqueles gajos vou meter um alfinete no contador porque recuso-me a pagar electricidade para depois me espetarem nas trombas anúncios ranhosos e sem pingo de originalidade, mesmo a gozarem com uma pessoa.
Cabrões. Até tenho as veias das fontes aqui a papejar com os nervos! É hoje que tenho um AVC.

Isto é uma conspiração contra mim, é o que é

Eu nasci para lavar casas de banho. A sério. É uma coisa que me fascina ficar a esfregar aquilo horas intermináveis, ver a loiça a reluzir e ver os fungos que se metem nos azulejos a desaparecerem, gosto de imaginar que eles gritam por clemência e eu de escova dos dentes em riste besuntada em lixívia impiedosa, cruel, magnífica a limpar o sebo àqueles gajos. Atrevo-me a dizer que a minha casa de banho é tão purificada que se existisse uma nova aparição de Fátima seria na minha casa da banho. Adoro aquela divisão, dá-me bastantes alegrias diariamente.
Em contrapartida odeio limpar vidros! Um ódio tão profundo, tão primitivo que se eu pudesse partir as janelas à cabeçada só para não ter que as limpar, eu partia. Quer dizer, poder eu posso, mas possivelmente não vivia para contar a história. Por isso não é de admirar quando eu digo timidamente que lavo as janelas de ano a ano há sempre alguém que diz "Eh lá, és um bocado porcalhota, não?" e eu digo "Porcalhota o caralho! Não vês que aquilo é um trabalho ingrato e que no dia a seguir já estão todos cheios de surro ó estúpido".
Apesar deste ódio fofo, há dias em que acordo com a força do mundo nos braços e como que por milagre (eu continuo a dizer que a minha WC é perita em milagres) agarro no balde, no pano, no limpa-vidros e lá vou eu. Bumba, bumba sempre a limpar aquilo. Quando finalmente termino, vou tomar uma banhoca porque mando um pivete que nossa senhora nos acuda e massajar as costas com água quente porque limpar janelas desperta a velha raquítica que há em mim e fico toda marreca, eis quando chego à cozinha olho para o céu, que agora já consigo ver bem já que antes parecia estar um nevoeiro constante na rua, e vejo que de repente ficou com cara de chuva e trovoada.
Porra pá! Com tantos dias em que podia chover e eu já ando a pedir há uns dias evitando assim o meu suplício a limpar aquela treta, começa precisamente hoje o tempo de Outono?!? Eu juro! Juro que se chover nos próximos dois dias eu nunca mais lavo a porra das janelas. Hão-de conseguir fazer o teste do Carbono 14 nas minhas janelas quando eu for para a cova!

Desatino largar dinheiro e ficar com a sensação que foi mal gasto

É que foi exactamente isto que aconteceu quando vi num folheto da PizzaHut uma campanha nova. Allin1box, parecia aliciante, um menu enfarda brutos para três pessoas (sim eu sei que só somos dois mas comemos por quatro) composto por uma pizza média, uma lasanha, quatro asinhas de frango, dois pães com chouriço e dois pães de alho. Por 17€ parecia mesmo à medida para dois esfomeados como nós.
Eis que quando chega o estafeta à porta e passa-me a caixa eu fico logo com a sensação que vou ser enrabada, mas como ele não tinha culpa, paguei e fomos para a mesa.
Porra. Mal abro a caixa deparo-me com uns mini pães d'alho, uns mini-mini pães com chouriço, umas asinhas de frango demasiado vermelhas para o meu gosto e uma mini-lasanha com um ar mais rançoso do que as do Lidl. Mas afinal não estava assim tão mal. Estava pior. A única coisa que se realmente aproveitou foi a pizza, porque de resto era flagelar-me por ter sucumbido à publicidade enganosa do folheto, eu deveria ter desconfiado que era muita fruta.
Aquilo foi uma amálgama de sabores tão explosivos que não sei como é que não me deu um enfarto, a começar pelos pães com chouriço que eram mais pãezinhos de sal com côdeas de pão e raspas de chouriço. A lasanha sabia a ar. Os pães de alho estavam ensopados com tanta manteiga que ao pegar dobravam-se e partiam-se. As asinhas de frango... oh meus amigos, quem fez aquele menu ou estava com uma granda broa ou é pior do que eu na cozinha, aquilo estava tão, mas tão picante que só dei conta quando caiu no estômago e começaram a cair lágrimas de enxurrada pela minha fronha abaixo e vi a minha vida a andar para trás. Bebi 3 copos de água, comi um pão de alho, mas a coisa ficava pior, consegui acalmar os calores quando comi os restos de pão da pizza. Que mix do catano!
Pelo vosso colesterol, não gastem dinheiro naquele menu, gastem o dinheiro em duas pizzas familiares que ficam mais satisfeitos. Não façam como eu, que ainda choro o dinheiro gasto, até porque passei o resto da noite com fome e ainda hoje ando com comichão no cú.

Tanta coisa para fazer e eu sem vontade nenhuma

Estou finalmente de férias. O problema é que eu tenho tanta, mas tanta coisa para fazer que só de pensar dá-me vontade de ir trabalhar só para arranjar desculpa para não o fazer. Já se passaram dois dias e a única coisa que eu fiz foi estar no sofá a roncar, abrir de vez em quando a pestana e falar com Abade para que ele não se aperceba que eu adormeci senão começa logo a dizer que eu sou um cú de sono e que não lhe faço companhia nenhuma, mas o moço ronca que nem uma motoserra à noite e eu não consigo dormir um sono tranquilo porque aos sonhos junta-se o som e aquilo transformasse num filme de terror com um gajo munido de uma motoserra atrás de mim.
Mas agora a sério. Eu andava mesmo a dar as últimas no trabalho, ao ponto de ter dito na brincadeira a um cliente que ainda bem que no dia a seguir ia entrar de férias, caso contrário, um dia destes levava uma metralhadora e começava a dizimar toda a gente. Ele esbugalhou os olhos e foi-se embora num ápice. Cum catano, como eu estava a precisar de folga das mesmas fronhas que lá estão dia após dia, com as mesmas perguntas da treta, que já respondemos quinhentas vezes mas como não é a resposta que querem voltam lá vezes sem conta à espera da resposta que lhes agrade. Chatos. Era um taco de basebol e começar a rachar cabeças só por diversão.
Eu queria mesmo era ia à praia, mas para isso eu tenho de desbastar o matagal no pito e não me sinto com coragem. Queria ir ver as Galerias Romanas na Rua da Prata mas isso implica levantar muito cedo e não tenho paciência. Acho que vou aproveitar e ficar quinze dias seguidos fechada em casa para desenjoar do contacto humano em excesso. Já começo a treinar com o Abade que ele anda mudo que nem uma porta sempre a jogar Candy Crush Saga. Portanto tudo se encaminha para uns quinze dias à ermita.

Ainda estou à espera do Karma

Quatro meses depois deste post "Onde é que anda o Karma" continuo à espera desse cabrão.
Quatro meses se passaram desde que eu vi os meus avós e penso que a próxima vez que os irei ver será quando um dos dois morrer. Continuo com um ódio de morte à pessoa que se intitula meu pai, mas neste momento o que mais me dói é a desilusão que sinto pelo meu avô, ele que dizia que eu era a sua netinha querida, desde que foi para casa do filho nunca mais me telefonou e da única vez que liguei tratou-me com uma indiferença tão grande ao ponto de eu, com uma pilha de nervos, lhe dizer que ele parecia uma criança de 12 anos que não sabia o que queria.
A minha avó pelo que sei continua com demência e a achar que a situação é temporária e que dali a dois dias volta para a casinha dela. Pergunta pela neta. Porque é que agora nunca a vem ver. Pergunta pelas gatinhas. Onde estão? Porque é que não estão com ela. E o cacto? Pede pelo menos por dois dias trazerem o cacto para junto dela algo que lhe lembre da casa. Tudo perante uma resposta fria de que não o trazem e para esquecer as gatas. Quando tem ataques de lucidez, a minha avó chora porque se apercebe que já não tem nada seu e imediatamente dão-lhe Lorazepam para a acalmar, dizem eles.
Eu poderia ligar para a minha avó, mas ou tem o telemóvel desligado ou quando está ligado quem atende é o meu avô e nunca consigo falar com ela sem estar outra pessoa à escuta. É difícil e complicado porque não tenho por onde me mexer para falar e estar com ela.
As gatas foram despejadas para uma parente minha com a desculpa de ser só durante quinze dias que iam de férias para o norte, quando chegaram ligaram-lhe e disseram para fazer o que quisesse com elas porque não as iam levar, largam pêlo. Ainda bem que essa parente tem bom coração que perante a situação ficou com as gatas porque era incapaz de as abater (sugestão da besta do meu pai) ou abandoná-las.
O meu avô é tão cego ao ponto de não se aperceber que o único motivo porque o filho e a nora os levaram para casa deles foi o dinheiro porque felizmente (ou infelizmente) têm uma boa reforma. Os meus avós poderiam estar perfeitamente tranquilos na sua casa. Contratavam uma empregada-a-dias, não teriam de estar sobre o controlo de ninguém e a minha avó não se sentiria tão desamparada.
Quatro meses depois e o meu avô continua sem me ligar, sem uma notícia, tudo o que sei é porque consigo descobrir, porque eu só não descubro o que não quero mas quanto mais descubro mais desiludida fico.

Momento de reflexão: Os lindos tomates do meu cão

Como isto tem sido um Verão rigoroso e como o meu cão é demasiado peludo decidi levar o canito à tosquia. E se antes elogiavam o porte majestoso dele, o pêlo luzidio e sedoso agora a primeira reacção quando olham para ele é de contemplação pelas suas jóias de família, grandes, redondas, inchadas e roliças.
Cheguei a mandar uma foto da tomatada às minhas colegas de trabalho que desconfiavam da veracidade das minhas informações, claro que assim que abriram a imagem ficaram encantadas e histéricas com o macho canino cá da casa e quase que se atropelaram para o conhecer. Eu que sou eu, quando vou com ele à rua deixo-o sempre ir à minha frente para que eu possa tirar as medidas àqueles badalos pendurados, ora-para-cá, ora-para-lá, ora-para-cá, ora-para-lá, qual relógio para hipnotizar qual quê! Metam um par de tomates assim à frente de qualquer mulher e ela faz reset ao cérebro, o mesmo equivale para os homens porque eles são tão redondinhos que se assemelham a um par de maminhas pequenino, mas, ainda assim um par de mamas e pronto temos um reset também ao cérebro dos homens.
Estou aqui com uma ideia em mente. Pôr o Abade e a fera lado a lado e comparar qual deles está mais bem apetrechado, atrevo-me a dizer que talvez o Yoshi tenha vantagem porque o animal ainda é virgem e aquilo está bem guarnecido.

Neste momento ele está deitado no chão de barriga para o ar e os ditos todos à mostra, vocês já mereciam uma foto desta preciosidade, mas como eu penso no vosso bem estar mental e não quero que vocês passem a noite a sonhar com um bons tomates achei por bem não colocar, tudo em nome da vossa saúde mental, ou isso, então sou egoísta e não quero partilhar isto com vós.

Agora é que ninguém me pára!

Pela primeira vez em dez anos de trabalho sindicalizei-me!
Não sei se realmente vale alguma coisa, ou não, o que é certo é que cada vez o desrespeito pelos trabalhadores aumenta, a exploração aumenta, a precariedade aumenta. O patronato espezinha e o empregado aguenta porque precisa do seu emprego, precisa do dinheiro mas aquilo que precisamos mesmo é de saúde mental, coisa que nos dias que correm é cada vez mais rara, por isso, enquanto hoje estava no meu local de trabalho e recebemos uma visita do delegado sindical, eu, que sempre fui contra sindicatos, dei por mim a dizer "olhe dê-me cá uma folhinha porque ter as costas quentes nunca foi demais", após estarmos num aceso debate com clientes à espera com vontade de me enfiarem uma faca no buxo o gajo ainda me diz que eu deveria ser delegada sindical porque eles precisam é de gente que não tenha papas na língua e saiba falar.
Eu, que sempre fui de extrema direita associei-me agora aos sindicalistas comunistas, esses malandros, mas no que toca a emprego se eu cumpro os meus deveres também quero ter direito aos meus direitos e se tenho possibilidade de fazer valer os mesmos até vendia a minha alma ao demo se assim fosse necessário.

Espero agora que um dia, que deve estar para breve, que eu me passe dos cornos e der com uma rebarbadora na tromba de um cliente o sindicato me defenda porque o atendimento ao público mata a humanidade que existe dentro de qualquer pessoa, que, diga-se de passagem, em mim nunca foi muita.

Avante camarada, avante camarada! Na próxima manifestação estou novamente lá a marcar presença mas agora já terei direito à minha merendinha e ao meu copo de vinho porque já sou sindicalizada e tenho outro estatuto!

Devia ter estado quieta

Andava há milénios a tentar converter a senhora minha mãe ao maravilhoso mundo da internet e suas aplicações sociais e agora que finalmente a converti quero uma máquina do tempo para voltar atrás e dar-me um auto-pontapé no lombo na altura em que tive aquela ideia.
Nunca tive tanta notificação como agora, é likes em tudo, é mensagens, é comentários em tudo e a última das últimas deixou-me uma mensagem de boa noite numa página de amantes de gatos. A mulher apanha o rato na mão e é; bumba, bumba, bumba a clicar em tudo! Tudo o que é passível de clicar lá está ela a marcar presença.
Da última vez que falamos ao telemóvel estive duas horas a explicar que botõezinhos eram aqueles lá em cima ao pé da palavra Facebook, eu explicava e ela dizia "ahhhhh! ohhhhhh!" até que perdi a paciência e tive de passar ao Abade que (por incrível que pareça) teve mais paciência que eu.
É nestas alturas que eu vejo que daria uma óptima professora, a criança à segunda pergunta que me fizesse com a desculpa que não percebeu a resposta, pumbaaaaaa, levava logo um berro que andava 5 metros para trás.
Mas posso dizer orgulhosamente que ela já começa a dominar aquilo, tirando os pontapés na ortografia que ela manda, já não me manda mensagens de boa noite onde calha e até já sabe por em play as músicas do youtube. Resta-me ensinar-lhe a usar o Skype e a ir ao Redtube para se entreter.
Uma pessoa fica orgulhosa, de a ver crescer e aprender assim, é para isto que a gente vive!

E que andas tu a fazer nas tuas folgas Didi??

Ontem fizemos pela primeira vez uma volta decente, não conto com aquelas que fiz aqui pela minha zona porque não são dignas de registo principalmente porque num dos arranques no meio do monte deu-me um bloqueio do catano e o meu cérebro dizia "arranca" mas as pernas diziam "é que neeeeeemm penses" maneiras que o meu corpo teve um tête-à-tête privado durante meia hora enquanto o Abade berrava lá da outra ponta para eu não ser maricas e me despachar!

Mas ontem é que foi! 13km feitos metade dos quais a levar com o vento de frente no trombil e se por um lado me refrescava por outro cansava um bocado, mas lá chegamos. Esvaziei o cantil, fiz os alongamentos que o mê home me mandou e hoje estou aqui fresquinha das pernas, os entrefolhos é que estão um bocado assados e vou seguir o conselho de quem percebe e para a próxima não levo roupa interior e vai tudo ali à fresca e ao badalo.

Agora estão vocês aí a gozar comigo que 13km não é nada e o camandro, mas em boa verdade eu vos digo que para mim 13km é igual a uma maratona de 500km pois eu não fazia exercício físico à colhões e estou com uma resistência de um caracol recém-nascido!
Já estou a pensar é na próxima volta porque isto até tem a sua piada.

Nunca digas nunca

A última vez que Lisboa e arredores estiveram em perigo foi quando passei com distinção no exame de condução e comecei a vir de chaço para o trabalho, baldeou-se passeios, ia atropelando um peão ou outro, esquecia-me de por gasolina, passava vermelhos, o normal! Entretanto, ganhei experiência fiquei uma profissional e depois achei que queria fazer o Abade engolir as palavras e comprei uma bina.
E pela primeira vez desde há 17 anos que não sentava a rabadilha num selim e caí, logo assim, logo à bruta e de joelho no chão encontrando-me neste momento com o meu joelho a jorrar uma nhanha branca, inchado que parece um trambolho e a ficar ligeiramente roxo, não contando com as nódoas negras novinhas em folha na barriga da perna e na palma da mão que foi contra o chão, porque eu achei que não valia a pena levar luvas uma vez que só ia só dar uma volta pequena aqui na zona para nos conhecermos mutuamente.

Bem sei que talvez não tivesse com o melhor calçado no melhor terreno, porque os gajos tinham sola lisa e o terreno era cheio de areias pequeninas, mas porra, também não era preciso eu cair parada e de lado porque a pata me escorregou e eu tombei para para a esquerda para delicia de um casal que estava dentro do carro a ver-me e a rirem-se que nem uns parvalhões (cabrões, que vos nasça uma figueira no cú) e para espanto do Abade que ficou a olhar para mim como se acabasse de me conhecer e não ficasse com a melhor impressão.

Bina Maria, ainda agora começamos este convívio e tu já me esbardalhaste no chão? Eu gosto de ti e estou a tentar com todas as minhas forças gostar dessa merda que se chama exercício físico porque dizem que é saudável, mas se isto continua assim eu vou ser saudável e é pró caralho!

Reescrever o post anterior

Acho que entrei em morte cerebral. Atenção que eu não digo isto levianamente, é que eu acho mesmo que os meus neurónios foram-se todos, pois desde que o Abade começou a andar de bicicleta que a minha capacidade cerebral diminuiu bastante e atrevo-me a dizer que deve estar próxima do zero porque se antes conseguia construir frases como um ser humano normal agora praticamente só digo "bicicleta".
Isto foi o degredo meus amigos!
O Abade mandou um grande tombo de bina. Deslocou o dedo indicador, ficou magoado das costelas e a pele do cotovelo foi toda ao ar. Mandei vir com ele, gritei com ele, chamei-lhe parvalhão por pôr a vida dele em risco e ainda lhe atirei um "vê lá se não queres que eu te parta a bina toda", isto é uma reacção normal de quem se preocupa o que não é normal é que passado uma semana eu disse-lhe que também queria uma bicicleta para ir andar nos montes!
Maneiras que ao dia 31/07/2013 eu, Didi Francisca, comprei a minha bicicleta, agora resta-me aprender a usar as mudanças porque nunca tive uma bicla com tanto acessório no guiador e ir para os montes e partir-me toda. Estou um bocadinho irritada porque a nível de equipamentos não há quase nada para gaja e logo eu, que gosto de cenas bem pirosas!
Olá, sou a Bina Maria, e adoro quando a minha dona mete a bilha em cima de mim!

Para o que eu estaria guardada...

Acho que o Abade entrou em morte cerebral. Atenção que eu não digo isto levianamente, é que eu acho mesmo que os neurónios foram-se todos, pois desde que começou a andar de bicicleta que a sua capacidade cerebral diminuiu bastante e atrevo-me a dizer que deve estar próxima do zero porque se antes conseguia construir frases como um ser humano normal agora praticamente só diz "bicicleta".
Todo e qualquer tipo de comunicação verbal que se inicia com ele, ele espeta sempre a puta da palavra lá pelo meio, e se ao início até era engraçado agora já se está a tornar cansativo e sem piléria nenhuma, às vezes, já dou por mim a evitar conversar com ele porque sei que se lhe digo alguma coisa como "esta paisagem é linda" ele diz-me "tantos trilhos para andar de bicicleta", mata-me o romantismo, mata-me a boa disposição e já não há paciência, tudo tem piada até ao ponto que enjoa e neste momento sinto-me mesmo mal disposta.
Mas compreendo, se calhar eu estou a ser uma pessoa pouco compreensiva, possivelmente o moço teve um AVC que lhe afectou a capacidade comunicativa e eu aqui a gozar com ele, eu realmente devia era ganhar juízo e levá-lo a um médico para lhe diagnosticar o problema, mais precisamente a um médico psiquiatra.
E só de pensar que eu até andava a ponderar andar de bicicleta, mas se é para ficar assim prefiro ficar uma texuga mas conseguir formar uma frase com 120 palavras sem incluir a palavra bicicleta.
Agora que li este texto apercebi-me que repeti a palavra "bicicleta" quatro vezes! OH NÃO! COMECEI! É o principio do fim, daqui a um mês possivelmente já não consigo sequer abrir uma página de internet e nunca mais conseguirei comunicar com vocês!!!!!

Não se aguenta!

Não aguento mais este bafo que se faz sentir. Quer dizer, até era capaz de aguentar se estivesse de férias e não a trabalhar como a mula que sou. Se calhar até estou com uma menopausa precoce e não sei, o que sei é que estou toda húmida e com o rego do cú abastecido com o rio de água que me escorre pelo lombo abaixo.
Uma pessoa trabalha numa empresa tão conceituada, mas tão conceituada que nem sequer tem dinheiro para colocar um ar condicionado para aliviar os colaboradores, que cabrões!
O ordenado já é uma valente bosta e mesmo assim ainda tenho de ir gastar dinheiro para comprar um borrifador de água para me refrescar no intervalo dos atendimentos, filhos da mãe, haviam de lhes oferecer um borrifador mas era com ácido e borrifar-lhes as trombas!

No limiar da loucura

Passei esta noite em claro atormentada com uma notícia que li sobre uma cadelinha que morreu por levar um pontapé do dono, não consegui pensar em mais nada durante o dia inteiro. Trabalhei oito horas sempre com o que li no meu pensamento e sempre a conter as lágrimas que teimavam em saltar dos olhos quando me lembrava da imagem da cadela morta, encolhida com expressão de quem estava a dormir em paz.
A imagem atormentou-me o dia inteiro, e à noite, na cama não aguentei as lágrimas e chorei, caíram sem parar não apenas pela cadela mas por toda a crueldade a que os animais são sujeitos diariamente ao redor do mundo, quer por divertimento, quer para alimentação, quer por tradição, quer para vestuário. 
Chorei porque sou sensível à violência contra animais (e não só), chorei porque não compreendo como é que alguém consegue magoar um animal inocente e que é sempre visto perante a sociedade como um bem, chorei ao imaginar a dor deles, a solidão deles sem ninguém que lhes dê voz.
Sempre os tentei ajudar, mesmo em criança já resgatava as abelhas que caíam nos riachos e nunca me picaram, talvez estivessem em choque, talvez estivessem agradecidas por terem sido salvas, não sei, o que sei é que sempre que me é possível evito a morte de um ser vivo, porque eu respeito a vida.
O único pedido que eu tenho para o Universo (e se a reencarnação realmente existir) é que não deixe que esta vida de sofrimento seja a última, que sejam novamente enviados em liberdade, na natureza sem contacto com humanos cruéis ou então para junto de alguém que lhes mostre carinho e amor, porque ainda existem humanos com coração que lutam por eles.

Sinto-me esgotada psicologicamente e um bocadinho à beira da loucura porque sei que esta violência não tem fim e apenas tem tendência a aumentar. Anseio o dia em que a humanidade ganhe finalmente consciência  de que todos merecemos viver com dignidade.
Agradeço do fundo do coração às instituições que todos os dias lutam pelos direitos dos animais.

Conspiração Universal

Sabemos que o mundo afinal tem salvação quando atendo um senhor com uns 60/65 com uma camisola de Rammstein e eu lhe digo "boa camisola, bom gosto" e ele me diz "eu sei" com um grande sorriso!
E eu que pensava que o bom gosto degenerava com a idade, afinal não é verdade! Quando for velha jarreta vou andar de tetas pingonas mas vou continuar com bom gosto e se não estiver internada num manicómio irei andar a dar begaladas nos cornos dos putos que oiçam as músicas futurísticas (que certamente irão ser pops ainda mais apaneleirados do que já são).
Aproveito também para dizer que o Abade é um sacana que praticamente me obrigou a dizer a uma gaja da worten que me sinto uma cachalote, não é que eu esteja badocha, estou vá... roliça porque estes 5Kg a mais estão-me a fazer confusão aos neurónios, pois se por um lado as boobs estão mais roliças também a peida o está e assim não há maneira de enfiar este nalguedo no selim sem ficar com meia borda de fora e parar o trânsito com o meu cagueiro!
Como se isto não bastasse a worten não tinha o livro da Dieta dos 31 Dias (deve ser verdade, deve, comigo a comer pacotinhos de bolachas de chocolate deve ser a dieta dos 365 dias) e ao sair da loja sou abordada por um panasca a perguntar se encontrei o que procurava, disse-lhe que não e antes que ele fizesse mais perguntas despropositadas ia a fugir quando o parvalhão me pergunta o que tinha vindo à procura e o Abade lhe diz "era a Dieta dos 31 Dias, mas não havia", cum caralho, manda-me o gajo um granda berro para a colega "Não temos a Dieta dos 31 dias????" e pronto... basicamente a worten e atrevo-me a dizer que o Continente que está ao lado ficou a saber deste meu pequeno complexo que era facilmente resolvido se eu não comesse chocolates que nem uma porca.
Assim não vou longe...

Não fui talhada para isto!

Eu sei que irei falecer cedo porque sou uma gaja stressada e à mínima coisa rebenta-me a bolha e desato aos berros com toda a gente e se não houver gente berro com as paredes e dou pontapés nas cadeiras porque preciso de aliviar a  burrice com que me cruzo diariamente. O que eu não estou habituada é quando a burrice é minha.
Claro que quando agarrei na factura para dar a contagem da luz e ao fim de 15 tentativas a ligar e me dizem que não era possível dar a contagem pois o código de local estava errado eu liguei para o Abade e ordenei-lhe em tom levemente elevado para não me dar tarefas complicadas. O moço muito pacientemente disse-me para olhar para a factura e lhe dizer o que eu estava a ler.
Que raio! A passar-me um talho de parva quando eu sei perfeitamente ler, até que olho para o logotipo da empresa e leio "LisboaGas", fiquei em silêncio e ouço o hôme do outro lado "não me digas que agarraste numa factura errada?".
"Não! Claro que não, disparate! Achas mesmo?"
"Acho!"
E a chamada caiu. Vá... desliguei-a. Mas é muito complicado eu admitir a minha burrice, porque eu sou perfeita e se uma pessoa arranja um homem é mesmo para fazer estas pequenas coisas que fazem confusão à perfeita mente feminina!

Há-de pagá-las!!!

O Abade continua numa de se armar em ciclista e toda a gente já sabe o profundo ódio que eu nutro aquela gente que me ocupa a faixa de rodagem toda e jamais e em tempo algum eu iria enfiar a peida em cima do selim de livre vontade, jamais até ontem, quando aquele gajo me disse que nunca iria ter paciência para andar comigo de bina porque para além de eu não saber andar de bicicleta andava cinco metros e caía para o lado.
O que é que ele me foi dizer! Isso lá é coisa que se diga a uma pessoa que odeia ciclistas e exercício físico?
Se há coisa que eu não admito é que me digam que que eu sou uma nódoa a fazer exercício, porque fico ofendida! Aliás, atrevo-me a dizer que fico tão ofendida que chego a ficar sem fôlego!
Ora dito isto, obriguei-o a ir assistir enquanto eu andava bicla pois juro que o irei obrigar a engolir as palavras assim como quando engole terra quando afocinha no chão. Erro crasso! Primeiro que encontrasse o equilíbrio parecia uma avestruz aos ziguezagues enquanto guinchava como um puto a levar umas bordoadas no lombo. Mas lá me consegui endireitar e ficar toda orgulhosa (apesar de o Abade se desmanchar a rir e estragar a minha concentração) até que quando tento parar a gaja e salto do selim para meter as patas no chão bato com o quadro da bicileta mesmo em cheio no pipi!
Se ainda ficasse lesionada por fornicar muito até que era motivo de orgulho, agora ficar lesionada das partes baixas por fazer exercício é para mim motivo de grande vergonha e vexame e espero que ninguém que me conheça do meu dia-a-dia leia isto porque senão vai perder a pouca consideração que tinha por mim.
Só gostava que alguém me tivesse dito que existia quadros para homens e outros para mulheres e que a bicicleta era demasiado alta para mim, evitava este desconforto que me assola o íntimo...

Nunca estão satisfeitos

Não sei qual é o problema com as gentes deste Portugal a queixarem-se que o tempo está mau, que chove e que está frio, tomara eu que chovesse ainda muito mais e com mais força para me lavar o Twingo que está cheio de merda de pássaro, de pó e de folhas. Olho para o chaço e só me apetece escrever no vidro "não me laves, planta-me batatas" de tão porco que ele está.
Pedro, se me estás a ler manda mais chuva para o limpares a fundo e já agora manda aí também um tufãozinho que eu deixo os vidros abertos e assim aspiras-me o carro porque eu não tenho paciência para estas coisas parvas.
E parece que eu consigo ouvir os pensamentos daqueles que neste momento me estão a mandar ir levar no cú porque querem sol e praia, e em verdade vos digo que também eu quero sol e praia e por essa razão é que peço mau tempo até Julho, data em que terei uma semana de férias e se eu não tenho bronze até Julho então mais ninguém terá e assim ninguém se fica a rir!

Onde é que anda o Karma?

Basicamente esta é a pergunta que eu tenho a fazer!
Como é que eu, uma moça porreira, bem disposta e que tenta sempre ajudar o próximo (humano ou animal) leva descomunais peidos na cara do karma? Humm? Expliquem-me!
E já agora gostava que o karma também me explicasse como é que no meu dia de anos (14 de Maio) o senhor que se intitula meu pai liga-me e larga uma bomba quando me diz "olha estou-te a ligar para te dar os parabéns e já agora aproveito para te dizer que vou levar os teus avós para minha casa pois já não estão em condições para estarem sozinhos mas não levo os gatos. Faz o que quiseres, arranja donos ou em último caso mando-os abater com o menor de dor possível." Ora, para uma rapariga que é sensível no que toca a defender seres vivos vir um sacana destes e dizer-me que se manda abater dois animais perfeitamente saudáveis foi como quem me esfaqueou no meio dos olhos, mas sinceramente daquele gajo eu espero tudo, ao fim e ao cabo também me abandonou portanto quem abandona uma filha muito mais facilmente abandona dois gatos.
Aquela personagem até me tirou toda a vontade de festejar e a primeira coisa que fiz com 28 anos foi chorar, chorar pela atitude dele, chorar pelos gatos e chorar pelos meus avós que possivelmente não os irei ver mais porque me recuso a falar com a actual mulher do meu pai e neste momento, com o meu próprio pai. Espero que um dia quando ele for mais velhote mas que ainda tenha saúde que a eutanásia seja legal e que alguém lhe diga que ele é dispensável mas que não se preocupe que será com a menor dor possível.

Mas pelos menos, desde há muito tempo para cá o meu moço prestou atenção aquilo que eu queria para os meus anos, bem, acertou em 50% acertou nos óculos Rayban, mas falhou na cor onde eu tinha especificado um pretos e ele trouxe-me uns com bolinhas vermelhas, rosas e azuis. Fomos logo de seguida trocá-los e menos mal que me escondeu os olhos inchados durante o resto da tarde.

Este aniversário ficou-me entalado no meio da goela, que sacana!

Conselho fashionista do dia

O meu moço anda numa de se armar em ciclista maricas e decidiu ir à Decathlon comprar uns calções panascas que não lhe magoassem as bordas quando estivesse sentado com a nalga no selim.
Nunca, jamais e em tempo algum eu sonhei que os calções de ciclista tinham uma almofadinha rectal que mais parecia que regressámos a 1995 com os pensos Reglex que eram mais toalhas enroladas no meio do pito do que outra coisa.
Tive a minha epifania do dia depois de ficar cinco minutos a apalpar o chumaço, aconselhei o mê homê a usar umas Tenalady por dentro dos calções pois assim seria um verdadeiro ciclista de competição, era cagando e andando e assim quando levasse uma cacetada e batesse com a peida no chão teria um airbag que o protegesse, ele aconselhou-me a visitar um psicólogo e deixou-me a falar sozinha.
Eu tenho uma sede a ciclistas como os cães têm aos carteiros, quando os vejo a andarem 4 de lado a lado a ocupar a minha faixa toda vêm-me logo à cabeça passá-los a ferro, apito-lhes, eles gritam-me um "pó caralho" e eu atiro-lhes um "a tua mãe ó boi" e sigo a minha vida feliz pois tenho o poder de os mandar para o passeio quando bem me apetecer. Aquelas almofadas deviam ser proibidas, acho que andar de bina devia ser um acto doloroso, como uma fistingzinho anal só por serem uns sacanas que impedem a livre circulação na faixa, e PIOR, passam vermelhos!!! Coisa que eu não posso fazer senão levo multa, cabrões!
Um dia que apanhe o mê homê por trás, passo-lhe por cima em homenagem a todos aqueles que podia ter limpo o sebo e não limpei.

Post impróprio para gente púdica

Foda-se! Estou para lá de possuída com esta merda toda.
Não se admite trabalhar que nem uma mula num trabalho de merda, com horários de merda a ganhar uma merda. No ano passado ainda se suportava bem porque praticamente ganhava todos os meses 900/1000€ e via os clientes burros como um desafio a superar, trabalhava que nem uma loba, é certo, mas no final no mês via a recompensa, agora? Agora ganho a ponta dum corno, uma ninharia, uma merda que parece que estão mesmo a gozar com a tromba de uma pessoa, só me apetece entrar no meu trabalho aos tiros e matar todos os clientes que atiram piadolas a dizer que a gente ganha bem! Era enfiar-lhes uma caçadeira na goela e disparar lá para dentro, cabrões do caralho, e ver as tripas todas a voar e enfeitar candeeiros e balcões. Eu já me imagino a dançar de alegria e felicidade banhada na massa encefálica daqueles montes de merda!
Mas aquilo que mais me irrita no meio disto tudo é que hoje fumei uma ganza, sei lá, não tinha nada para fazer e nunca tinha fumado uma e aquilo simplesmente não me fez nada. Era suposto deixar-me parva? Rir-me que nem uma perdida? Chorar? Ao invés, fiquei a olhar para aquilo e perguntei se tinha de esperar muito, não me bateu moca nenhuma e fiquei na mesma, que frustração... sou imune ao alcóol (não gosto), a ganza não me faz nada e pelos vistos anestesias também não funcionam comigo, mas afinal que ser humano estranho é que eu sou?!
Já faltou mais para eu me passar completamente, e quanto me passar vai ser puta estrondo!

Edit: Adoro o rosa inocente deste blog, uma pessoa até pensa que é um blog decente e com conteúdo e depois leva com post que parece que foi escrito por javardolas qualquer... não se preocupem, eu sou solidária, também eu me sinto enganada pelos filhos da puta dos nossos governantes (e pelo gajo que me deu a ganza, fosse eu xuxar num pacote de leite e estava mais alegre).

Aleluia

E eis que ao vigésimo segundo dia o sacana do periódico deixou-se de merdas e apareceu! Apareceu em grande e em força e posso dizer que neste momento o meu pipi parece a bica da fonte a jorrar de alegria!
Agora estou é com uma granda lua com a TPM, que ninguém me diga nada hoje porque senão hoje é o dia em que eu eafaqueio alguém!
Nota para o men lá de cima: na próxima vida quero ser homem, ok?

São todos iguais

Hoje enganei-me por cinco vezes a preencher um formulário de alteração de titularidade entre dois chinocas.
Porra! Passava a vida a trocar os contribuintes e os nºs de autorização de residência de cada um, isto porque os gajos tem as caras iguais e eu pensava que estava a preencher com os dados de um e na volta estava a preencher com os dados do outro. Era o tio, o pai e o filho a tentarem fazer-se entender num misto de chinês, português e mímica à mistura e uma coisa que demoraria cerca de vinte minutos arrastou-se por uma hora comigo a tentar entendê-los e fazer-me entender. No final lá me explicaram que tinham um restaurante chinês (olha a novidade), espetaram-me o folheto na tromba e disseram pala lá apalecele que me faziam glande discontlo pole sele pla mim, eu disse clalo, clalo, sim, sim, mas quem lá não mete os pés sozinha sou eu porque ainda fico sem um lim.
A impressora do meu trabalho também é Made in China e não tira cópias assim tão boas, onde é que eu posso reclamar este defeito??

I had a dream

Pessoal que perceba o significado dos sonhos é chamado à recepção, isto porque eu duvido que alguém consiga descodificar este. Eu tenho uma leve ideia do que possa ser e talvez uns tempinhos no Miguel Bombarda curassem isto.
Maneiras que parece que eu no sonho agarrei num tira agrafos, posicionei-o em cima do nariz e toca de o apertar para fazer um grande piercing, não contente com isto, agarrei num gancho de cabelo e enfiei-o nos buracos ficando este o piercing escolhido, toda eu era classe com um gancho pendurado nas ventas.
O mais engraçado disto é que eu nem gosto de piercings no nariz. Isto de trabalhar por turnos rebenta com a sanidade mental de uma pessoa.

Cavalheirismo português

Se um dia um dos meus carros ficar parado no meio da via pública e o mê hôme me mandar empurrá-lo eu dou-lhe um tiro, atiro-o fora do carro, atropelo-o e ainda lhe dou um pontapé!
Porque eu sou um anjo e porque não há pessoa melhor do que eu no mundo (cof cof) ajudei uma moça que estava a empurrar o carro a tentar pô-lo em cima do passeio enquanto o seu marido estava confortavelmente sentado com a peida no banco a girar o volante apenas para direccionar o carro para o passeio (que complicado). Até me custou a acreditar naquilo, parei o carro e fui ajudar a rapariga. Ainda mandei um peidinho com a força que fiz e não sei até que ponto é que não saiu um bocadinho de molho com ele, mas o que é certo é que me senti bem por a ajudar e se pudesse ainda a tinha ajudado mais, nomeadamente: livrá-la da besta do marido.
Perguntei-lhe se era bateria porque eu tinha os cabos no Twingo, o boi disse-me que não. Ofereci-me para ir buscar combustível à bomba, rejeitou. Mandei-o à merda mentalmente e despedi-me dela que me agradeceu e segui a minha vida, reparei depois que a rapariga ficou fechada mais os dois filhos pequenos no carro e ele saiu.
Quando cheguei a casa e relatei a coisa à minha mãe e levei uma real piçada ao telemóvel porque segundo ela eu sou uma inconsciente e uma parvalhona porque podia perfeitamente ser uma armadilha para me assaltarem. Claro que na altura isso nem me ocorreu porque eu sou uma tipa fixe e penso sempre em ajudar porque amanhã posso ser eu a precisar de ajuda, mas depois de levar nas orelhas sinto o olhinho do cú a modos que apertadinho só de pensar na possibilidade de ser assaltada.
Olhem que se lixe, para a próxima não ajudo, fiquem parados no meio da estrada a ver se eu me importo que eu sou jovem de mais para ser novamente assaltada!

Desmancha-prazeres

Ó pessoal antes de mais quero pedir aqui desculpas perante Portugal inteiro por não ir visitar e comentar os vossos cantinhos, mas é que quando estou no turno da tarde fico toda atrofiada e não tenho praticamente tempo para nada, é levantar ao meio-dia, tomar o banho, almoçar, passear o cão, e ir trabalhar mas eu juro-vos, juro-vos que assim que tenha tempo para coçar o cú hei-de ir primeiro aos vossos cantinhos!
Maneiras que ontem lá fui eu, Rammstein não desiludiram e deram um espectáculo em que a malta saiu de lá a transpirar, com dores no pescoço, surdos e roucos. Tal como disse o Pavilhão Atlântico é um grande cagalhão para ouvir metal, eu gostava de cumprimentar o génio que concebeu aquela javardeira, mas enfim serafim, aposto que ganhou o concurso através de uma cunha e encheu os bolsos, por mim, não ponho lá os pés tão cedo e eu até queria ir ver Iron Maiden em Maio mas naquelas condições não tenho lá muita vontade.
E para todas as gajas que já andavam a ovular de desespero por saberem o meu resultado, eis que foi.... txam txam txam txam, negativo!
Eu até poderia ficar contente com o resultado, mas não fiquei... isto porque a irmã de uma colega minha que é enfermeira na Maternidade Alfredo da Costa está grávida fez dois testes e ambos deram negativo e aconselhou-me que os testes apenas se devem fazer entre a 3ª e a 4ª semana sem o dito cujo uma vez que antes disso a probabilidade de falsos negativos é muito grande (eu é que não aguentei e fiz mais cedo) uma vez que no caso dela apenas no final da 4ª semana é que deu positivo e eu ainda apenas ainda vou com 12 dias de atraso, portanto, tenho mesmo de esperar e se ele não vier nos próximos 15 dias é que vou tirar a prova dos nove e eu já estava a pensar que me ia livrar de ouvir musiquinhas paneleiras do Noddy e do gayzolas Bob, O Construtor! Oh não, isto parece pior que o pesadelo em Helm Street, daqui nada começo a criar uma gravidez psicológica com os nervos e depois é que são elas! Só me vez à cabeça aquela malta que anda com 3.789 fotos dos filhos na carteira e até me dão uns calafrios.
Quem disse que nascer mulher era giro devia ser atirado de um penhasco!

Wir halten das Tempo

Como por estas bandas é tudo ao molho e fé em Deus lá vou e o mê hôme ver Rammstein. Vai ser brutal porque os gajos dão um grande espectáculo a nível de pirotecnia e interagem imenso com o público, só tenho realmente pena é que seja no Pavilhão Atlântico porque para sons mais da pesada o som fica demasiado distorcido e nunca se consegue perceber muito bem o início das músicas, mas é como quem diz: quem corre por gosto não cansa e nem que fosse um concerto mudo eu estava lá, quanto mais não fosse para ver o guitarrista (gajos não cliquem no link, gajas cliquem no link).
E porque nesta casa não somos a favor da democracia caso eu esteja realmente de balão o puto já vai com bom gosto musical desde o início e se um dia ele me der o desgosto de dizer que gosta de rap, pop, hip-hop, kuduros e afins meto-o logo na Academia Militar para ser espancado e lhe darem a devida educação porque se um filho meu gostar de músicas de embalar é óbvio que eu falhei na educação e alguém tem de lha dar por mim, nem que seja à paulada na cornos!
No meio disto tudo, hoje comprei um teste de gravidez maneiras que amanhã de manhã lá vou eu mijar para o pauzinho e de certeza que vou mijar as mãos porque eu tenho uma pontaria da treta, portanto já sabem, se não aparecer mais aqui é porque deu positivo e eu tive um ataque cardíaco.

Tranquilo, só estou em pânico

E eis que ao 11º dia continuo a ver navios!
Mordo a língua, torço a orelha de todas as vezes que falei mal do periódico que só me estragava os planos e dizia que só devíamos ter o coiso quando quiséssemos emprenhar. Maldito sejas!!! Ando aqui a pedir aos santinhos para vires e nada, é que nem sintomas da tua vinda tenho.
Estou a tentar não entrar em pânico e repito para mim mesma que estou é desregulada e que há-de vir, é só ter tranquilidade que ele há-de vir, mas depois lembro-me que sou uma granda azarada e que me rejo pelas Leis de Murphy, portanto, se alguma coisa pode correr mal, então, certamente vai correr mal. Ainda por cima o meu hôme tirou um curso de sniper maneiras que é certo e sabido que fez pontaria e acertou no alvo!
E depois a juntar à festa tenho uns que me dizem para fazer o teste, mas eu casmurra, não o faço porque é gastar dinheiro à parva porque o coiso há-de vir e depois tenho outros que me dizem para beber cerveja preta quente com canela, ora tenho uns que querem por-me a gastar dinheiro e outros que querem por-me com uma granda caganeira e ter de ir gastar dinheiro à mesma no imodium para parar de me borrar.
Quero agradecer também a um colega meu que teve a bondade de me dizer que eu estou com a barriga maior e redonda, obrigado meu cabrão, porque se realmente eu estiver grávida ainda te desculpo agora se não estiver estás-me a chamar uma granda texuga e eu vou ter de passar fome até 2014 e nunca mais falo contigo na vida.
No meio disto tudo o mê hôme já me informou que se for rapariga será uma Beatriz e se for rapaz será um César e eu já o informei que é bom ele começar a preparar as cenas para o meu funeral, isto só comigo!

Simulacros da tanga

Hoje e pela primeira vez na minha vida fiz um simulacro de incêndio e posso dizer que foi uma granda mer...bosta! Se aquilo era uma preparação para um eventual incêndio tínhamos falecido chamuscados logo ali sentados, de qualquer das maneiras aproveitei para mandar uns clientes dar uma volta ao bilhar grande uma vez que também não ia com muita vontade de trabalhar.
Quando cheguei ao meu local de exploração, perdão, trabalho dizem-me logo que ia haver a dita simulação e que após o aviso teríamos de desligar os computadores, fechar o espaço e sair ordeiramente (eu cá preferia sair ordinariamente mas pronto) pelo corredor técnico e dirigirmo-nos para a rua. Chega o primeiro cliente e informei-o logo para me largar a braguilha e vir mais tarde que não me apetecia aturá-lo, bem... não foi bem assim que lhe disse, mas a intenção mental foi exactamente esta. Do nada, começamos a ver um grande bando de pessoas a sair mas nem um comunicado sobre a evacuação se ouviu, achámos por bem fechar tudo e sair.
Onde é que estava o segurança a dar-nos indicações para sair ordeiramente? Onde é que estava o alarme de evacuação? ONDE É QUE ESTAVAM OS BOMBEIROS JEITOSOS VESTIDOS COM AS SUAS FARDAS JUSTAS??!!
Maneiras que fomos para a rua, ao frio e à chuva (filhos da mãe pá!) enquanto faziam as contagens não sei bem de quê. Lá acabou e começamos a ir para dentro novamente, tanta coisa por uns miseráveis 6 minutos de simulacro e eu a contar que ia ser uma bela hora a coçar a micose e a falar mal das vestimentas dos transeuntes, passam a vida a trocar-me as voltas!

Claro que se isto fosse na realidade eu estava-me a borrifar para toda a gente e desatava a correr enquanto gritava pelos corredores que íamos todos morrer queimados e qual rua qual quê, eu ia ter com o meu carrinho na garagem e possivelmente iam dar com o meu esqueleto todo assado agarrado ao meu twingo porque eu jámé o deixava lá sozinho, logo hoje que tinha posto de 20€ de gasolina e a gasolina está cara!

Agarrem-me que eu vou-me a eles

Entreguei hoje a minha declaração de IRS e posso-vos dizer que estou assim a modos que um bocadinho chateada, não é por nada em especial mas apenas vou receber menos 500€ do que no ano passado na nota de liquidação, coisa pouca, nem me aborrece. A sério, eu nem me importo que me fiquem com o dinheiro todo, eu sou uma pessoa pacífica e apenas desejo uma morte dolorosa aos cabrões que me chulam o rendimento e que no seu leito de morte queiram respirar mas que lhes sejam enfiadas maços de notas enroladinhos dentro da boca e uma mola no nariz para verem o que é bom prá tosse!
O governo é um cabrão, mas a merda da minha empresa também não se fica atrás.
Então não é que aqueles sacanas da contabilidade não pré-preencheram a declaração? Nem a mim e nem a nenhum dos meus colegas, calinas do carulho, se é para fazer um trabalho de merda ponham-me lá a mim que eu faço merda mas com mais categoria.
Com isto tudo, o coiso ainda não me veio mas como eu gosto de vos manter actualizados digo-vos já que se tiver prenha vou instruir o puto/puta nas artes da ladroagem, que é como quem diz, na vida política e depois peço-lhe que me arranje um tacho porque eu também quero chular os contribuintes, não quero ser só eu a chulada, olhá porra!

Como trollar um gajo

Maneiras que com isto tudo lá se passou um mês que me esqueci de tomar a pílula e o periódico ainda não deu ares de sua graça, não me chateio muito, porque sem o comprimido maravilhoso os meus ovários sempre tiveram vida própria e o dito só me aparecia ao fim de 36 dias para além disso eu devo estar tão entupida de hormonas que só lá para o ano 2059 é que era capaz de engravidar.
Mas como sou uma grande malandra, gosto de estar sempre a pregar partidas e nunca me diverti tanto como ultimamente a ver o meu homê a transpirar e a olhar-me de lado quando lhe digo no supermercado "bem, se calhar é melhor começar a aproveitar as vantagens de grávida e ir para a caixa prioritária" ou quando estou a enfardar bolachas e lhe digo ofendida "quié? Não vês que tenho de comer por dois??" ou quando tenho reacções palermas e lhe peço desculpa porque são as hormonas a falar.
O rapaz já nem dorme com isto tudo e está sempre agarrado à conta bancária a fazer previsões. Aquilo que eu me divirto à custa dele é bom demais, só não vou achar piada nenhuma é se chegar ao dia 5 de Abril e ainda não houver a bandeira vermelha hasteada aí sou capaz de ser eu a entrar em pânico e o moço a gozar comigo.
Agora que penso nisto acho que estou a ter um ataque de pânico!

Simetria é perfeição, ou não!

E para acompanhar a minha nódoa negra que já se está a tornar a minha trademark eis que hoje me aparece uma borbulha no meio do queixo, mas é que é mesmo no meio e alinhada com a nódoa negra; uma simetria perfeita, eu até nem sou de ter borbulhas, mas esta aqui vai para além duma simples borbulha isto com uns pelinhos em cima acabava com os soluços a meio mundo.
A juntar este vento e chuva maravilhosos o cabelo por mais liso que seja transforma-se num tufo emaranhado no cimo da mona.
Nem sei se amanhã tenho coragem de sair para a rua com o trombil neste estado, quase que parece que caí de cara em cima de um calhau!

Que biolência

Já há uns tempos para cá que reparava numa pequena nódoa negra que tinha na testa e que nunca mais desaparecia, até que ontem à noite percebi porque é que a bicha teima em cá ficar.
Pois que eu sou uma viciada na net, admito, até levo o telemóvel para a casa de banho para manter-me a par das últimas, por isso não é de admirar que a penúltima coisa que faço antes de adormecer seja agarrar-me ao telemóvel e abrir o face mas só ontem é que me apercebi que enquanto estou de barriga para cima e com o telemóvel entre as duas mãos a fazer scroll ele cai-me duas a três vezes em cima da testa. Nunca me ocorreu que andar a levar tantas vezes com ele na cornadura que ficasse com uma nódoa negra.
Maneiras que tenho de arranjar uma nova posição uma vez que nem sequer se põe a opção de largar o telemóvel antes de dormir.
Quem não sabe esta minha obsessão diz que são feridas de guerra (berlaitada) de bater com a testa na parede, bem, deixai-os pensar isso que sempre fico mais bem vista.

Fragmentos perdidos

E o que digo eu do meu dia do pai?
A mesma merda de todos os anos desde os meus 16 anos. Um pai ausente que após 18 anos de casamento com a minha mãe decidiu deixá-la por uma tipa 20 anos mais nova que andava com ele, com o tipo da distribuição das batatas e com o tipo do talho, mas o amor é mesmo assim, estúpido que dói mas isto até é compreensível, não seria por isso que deixava de ser meu pai, aquilo que realmente destruiu todo o sentimento que eu tinha por ele foi durante os 4 meses que andava com ela às escondidas fez-nos a vida num inferno ao ponto de termos de ir para a rua porque não aguentávamos mais e depois de sair de casa apenas me disse com uma grande lata que não ia abdicar do tempo com ela para estar comigo e por isso se quisesse que ele continuasse estar presente na minha vida ela teria de estar connosco sempre porque ele não iria a lado nenhum sem ela, ora, dizer isto a uma míuda de 16 anos a quem tinha enfernizado a vida foi a mesma coisa que me darem com um taser no meio dos olhos, pedi-lhe para me dar um tempo e me habituar à ideia, disse-me que não e eu mandei-o à merda! Passado uns tempos liga-me para me informar que ia parar de me dar a pensão de alimentos e para me fazer à vida.

Nunca foi capaz de ligar à minha mãe para saber como eu andava nos estudos, para saber se tinha com algum problema a única conversa que teve com ela foi para lhe dizer que ia mudar de número porque não queria arranjar chatices com a Susana.
Grande pai!
Aos 22 anos lembrou-se que eu existia e perseguiu-me até ao trabalho para falar comigo, tirou o meu nº de telemóvel do telemóvel dos meus avós e tentou reatar o laço pai-filha, tentativa falhada claro, é que nem consigo chamá-lo de pai porque as palavras entalam-se na goela e até me engasgo!
Por tudo isto, obrigado pai por seres um sacana e por fazeres realçar os meus piores defeitos, vingativa, possessiva e insegura. Agora dirão os mais entendidos que eu preciso de uma terapiazinha, até são capazes de ter razão, mas isto agora é quem eu sou e gosto de quem sou.
Todas as acções têm consequências, disse-lhe a ele na altura ele riu-se e chamou-me parva, vejo agora que com 16 anos tinha mais maturidade do que ele com 39.

Finito

E terminaram oficialmente as minhas férias! A partir das 14h00 de hoje lá vou eu para a mesma lenga-lenga de todos os dias.
Epá, não me venham com merdas, concordo que estar desempregado nos dias de hoje é complicado mas estar empregado num sítio onde não gostam do que fazem, em que os clientes são uns cabrões, em que para as chefias um discurso encorajador é algo do género se não atingirmos os objectivos é porque estão contra mim e se estão contra mim não há lugar para vocês nesta empresa, em que se recebe mal para o que fazemos e em que o horário é uma merda e mês sim, mês não papam-nos uma folga isto tira a pouca vontade de trabalhar que existe em mim.
Trabalho que nem uma mula e dinheiro para realizar os meus objectivos? Casar 0; viajar 0; mudar de casa 0; comprar uma máquina fotográfica Reflex 0.
Finalmente percebo a malta que vive do RSI e do fundo de desemprego, recebem o dinheirinho e não tem de aturar com gente de merda e empregos de merda!
Estou com tanta vontade de ir trabalhar como levar um tiro nos cornos.

Sonhadora, mas ao menos a sonhar

Eu sou mundialmente (vááá... localmente) famosa por conseguir controlar os meus sonhos, foi sempre daquelas coisas que consegui desde pequena, talvez por isso nunca tenha tido pesadelos de me cagar toda mas para além do controlo dos sonhos eu tenho algo ainda mais à frente, os sonhos parvalhões!
Este último encontra-se entre o Top 10 e eu nunca mais irei ver bananas da mesma forma que as via.
Maneiras que estava eu a sonhar que estava a dormir e de repente oiço o meu hôme a entrar em casa, mas eu estava tão preocupada por ele estar em casa àquela hora (que não era normal) que tentava por todas as maneiras abrir os olhos para ir ter com ele mas não conseguia, quer dizer, conseguia mas eles estavam tão pesados com o sono que voltavam a fechar mas eu lá me consegui arrastar até à cozinha para dar de caras com ele com uma banana na boca e uma banana em cada mão enquanto me repetia todo feliz eu só vim comer bananas, eu só vim comer bananas, dito isto acordei a rir e hoje quando fui ao supermercado descobri que secção das bananas é a minha secção do humor, só de imaginar o moço agarrado às bananas todas da caixa é coisa para me fazer rir até sei lá, talvez até à próxima semana.

Lambona

Eu não sei o que é que se passa comigo, mas desde que entrei de férias no dia 4 de Março que desceu em mim um dos quatro cavaleiros do Apocalipse, a Fome!
Até nem sou de comer muito, petisco daqui, petisco dali, janto uma sopa com uma frutinha mas minhas fufes, eu estou mal... não sei se é da ausência da pílula ou não, o que eu sei é que ponho-me a fazer panquecas à uma da manhã, derreto um pacote de bolachas de chocolate às duas, acordo às 13h como 4 torradas e derreto outro pacote de bolachas e ainda fico a esfregar a barriga com fome.
Pareço uma loba, estou aqui e estou a pensar novamente em ir assaltar a cozinha e meter mais umas bolachinhas no bucho, não é de admirar que quando regressar ao trabalho no dia 18 nem precise de conduzir é só atirar-me pela estrada e chego lá a rebolar em cinco minutos!
Alguém que me ajude que eu já não sei o que faça, só me vem à ideia os romanos a chafurdarem na comida, gomitam e tornar a chafurdar na comida... e andava eu preocupada com as possível berlaitadas desprotejidas que me iam dar uma pança de grávida, eu vou mas é ganhar uma pança de texuga é o que é!

Falha na sincronização

Os gatos aqui da minha zona falharam a sincronização com a natureza, só os oiço aos guinchos e à porrada na mata. Acho que alguém devia ir avisar os moços que o mês dos gatos é o Janeiro e não é o meio de Março.
O que me chateia um bocadito é que volta e meia oiço umas coisas irem contra os vidros pois que são os meus gatos a lutarem por um poiso à janela para tentarem descobrir de onde vem aquela chinfrineira toda e como o Niko é um bocado badocha ocupa o poleiro todo.
Daqui a nada tenho mas é a porca da vizinha de baixo a mandar vir que a gritalhada felina é do meu andar... é que espeto-lhe logo com um tufo de pelo na boca e mando-lhe um chuto na peida que ela afocinha escadas abaixo, ela que não me irrite que é melhor!

Vivo no limite

Eu sei, para aí desde sempre, que o xô Nino abomina festas na pança mas eu vivo no limite e gosto de desafiar o perigo e por isso mesmo é que hoje encontro-me com a mão enfaixada. Mas é que eu não consigo mesmo resistir àquelas banhas todas penduradas para o lado e vou logo lá com mãos e faço de conta que a pança dele está a falar comigo... depois olha... mas não aprendo, é só deixar que isto cicatrize e volto a fazer o mesmo que eu cá sou burra teimosa!
Nunca pensei é que cortar alho com os dedos feridos doesse tanto, dói mais do que álcool na ferida, pôssas!!!!

Dia da Mulher

Que dia de xaxa, é mesmo daqueles dias para encher chouriços de tão aborrecido que é. Não preciso que me lembrem que sou uma gaja, aliás, todos os meses a menstruação me lembra dessa condição maneiras que não precisavam de inventar um dia especialmente para isso!
Aquilo que eu espero deste dia é ser papada forte e feio como as mulheres o eram na Idade da Pedra (ou então como no Spartacus) e nada dessas pirosices de flores, chocolates e ai ui és tão fofa 'cá beijinho. E o carinho máximo que quero levar neste dia são umas valentes vergastadas nas nalgas.

A vida a andar para trás

E eis que ao quinto dia lembrei-me de que me esqueci de tomar aquele comprimido fantástico e responsável pela grande emancipação feminina: a pílula, ou como diria o Lauro Dermio, the piles!
Gosto mesmo de estar de vacances mas começo a aperceber-me que sem o devido uso os meus neurónios falecem a um ritmo alucinante e só hoje é que me lembrei que ando a navegar por mares desconhecidos com risco de naufrágio. Nem estranhei o facto de andar calma, sem ataques de bipolaridade, de não verter lágrimas por dar cá aquela palha... quando vou à procura da carteirinha dos comprimidos milagrosos para tomar é que dei de caras com a falta dela, e foi um cair de cú mental!
Bem... já avisei aqui o moço que estamos fechados para inventário até ao final do mês e para não ter ideias parvas que não me dá jeito nenhum ter um gaiato mas acho que ele não aceitou muito bem a notícia do jejum porque ficou estático a olhar para a televisão e desde aí não noto nele sinais de vida.
Que se lixe, mais vale um pipi imaculado que um pipi amachucado!

Que degredo Sr. Alfredo

E o que é que eu faço quando estou de férias e não há nada, nada, nada para fazer e o tempo está uma bodega?
Ponho umas musiquinhas a tocar e faço um acompanhamento vocal, mas desta vez ponho a gravar para mais tarde recordar o meu fantástico cântico liríco!
Opá... que merda men! Eu até pensava que cantava alguma coisa de jeito, mas aquilo que apenas ouvi foi uma janada aos guinchos! Uma pessoa que ouvisse a minha cantoria fora do contexto até poderia pensar que se tratava de um filme porno em que eu estava ali a grunhir enquanto levava com o narso... nada mais errado!
PIOR! Farto-me de gozar com o meu moço a dizer que ele parece um mudo a cantar... e eu que canto sempre no carro armada ao pingarelho, ai jesus-maria é que nunca mais me ouvem cantar, prefiro tirar os burriés do sótão que passo menos vergonhas!
Se eu me deixasse de merdas e fosse encerar o chão dos quartos é que fazia bem... mas eu nunca me sinto confortável a lavar o chão de quatro com o Yoshi sem supervisão... nunca fiando pois já por diversas vezes apanhei o cabrão a tentar montar-me quando estou na brincadeira com ele, dasse!

A hiperventilar, a hiperventilar

Pois que eu sou ciumenta que nem uma mula, e eis quando hoje vou ao perfil do face do meu hôme para retirar o barulhinho que agora as notificações fazem (a pedido dele) e vou assim a modos que cuscuvilhar as mensagens, 'tão a ver?! E não é que me deparo lá com uma mensagem duma (presumo eu) ex-namorada toda armada em santinha a dizer que não se queria intrometer na vida dele até porque ele tem uma namorada linda (eu... obrigada minha puta, obrigada) mas que não consegue parar de se lembrar dele, do seu sorriso maravilhoso e que sempre que há lua cheia lembra-se dele (querem ver que o moço é lobisomem e não partilhou isso comigo??) e blá blá (tretas)... uma pessoa fica com vontade de abrir a cabeça do gajo à cabeçada.
Nem foi ele que mandou a mensagem, nem tão pouco respondeu, mas eu fico realmente perdida é com as putas que aí andam no mato... então sabem que o moço tem namorada e mesmo assim metem o bedelho, oh cum caralho!
Estou aqui a tremer com os nervos, porque lembro-me logo da separação dos meus pais e vêm-me o trauma todo à cabeça e já estou para aqui a arfar com isto! Mas claro, como curiosa que sou fui fazer um estudo de mercado ao perfil dela, mas que granda trambolha que a gaja é, feia que dói... uma pessoa até fica a pensar se realmente é bonita ou não porque um gajo que anda com um cêpo daqueles é sempre de desconfiar se bate com o baralho todo! Bem sei que o amor é cego... mas para além de cego também não deve ter o 5º sentido a funcionar devidamente porque a cara da badalhoca é cheia de crateras.
Maneiras que estou aqui e não sei se responda à madame ou não... ai que puta!

Viva, mas por pouco

Estive vai não vai para me encher de explosivos e ir dar ali um passeio à Assembleia da República depois de ver que este mês fiz 258€ de descontos, dinheiro esse que me daria para muita coisa útil como por exemplo: torrar dinheiro no Bingo!
É que estive mesmo, mesmo quase a passar-me dos cornos mas depois com os nervos apareceu-me novamente herpes e acabei por não fazer nada porque não gosto de sair de casa com a beiça neste estado.
Eu sou uma perfeccionista e não quero que a minha foto no jornal seja de tromba inchada.

Deprê

Juro-vos pessoal, se o arrependimento matasse eu não já não estava aqui a publicar este post.
Eu ando tão necessitada de uma máquina reflex como de ar. Cometi a burrice de vender a minha Canon 450D porque andava tão chateada com o facto de não ter férias em 2012 que achei que nunca mais iria ter tempo na vida para fotografar, um impulso que agora se paga caro sempre que vou a uma worten e fico ali a carpir as mágoas junto às maquinas fotográficas! E sim, eu sou masoquista faço questão de entrar sempre que posso e só tenho pena é que o expositor das máquinas não esteja junto a uma parede para eu bater lá com os cornos até o cérebro me saltar pela ventas.
Ainda por cima vendi-a uma colega de trabalho que a ofereceu a irmã apenas para a utilizar no modo automático, sempre que vejo as fotos tiradas com ela só me apetece gritar e arrancar cabelos. Que desperdício quererem um maquinão só para as vistas quando nunca irão utilizar as potencialidades dela!
A minha vida agora resume-me a passear pelo deviantART e blogs de fotografia de lagriminha no canto do olho e a recordar a parvalhona que eu sou.

Não se brinca com coisas sérias!

Eu tenho uma perdição. Eu adoro pizza, posso dizer que é uma comida para lá de bonita e boa. Podia comer pizza a todas as refeições que nunca me enjoava... até as pizzas marguerita ranhosas do Minipreço eu papo e peço bis e ai de quem me tire uma fatia, leva com um olhar roga-pragas que já não se levantam da cadeira. Portanto não é de admirar que quando hoje encomendei uma pizza e recebo uma chamada a informar que a encomenda ia demorar mais do que o previsto eu comecei a bufar.
Esperei 40 minutos quando finalmente me toca à porta o estafeta com um ar de quem tinha caído da mota e pede desculpas pela demora mas que a sua motoreta teve um furo e acabou por ter um pequeno tralho!
ALTO E PÁRA O PIPI!
E as pizzas?! As pizzas estão bem? - pergunta a princesa!
Claro que a seguir perguntei por ele mas não me pareceu muito amassado até se estava a rir mas graças aos santinhos que as pizzas não tinham os ingredientes todos tortos e fora do sítio, porque eu sou menina de lamber a caixa por fora caso houvesse algum cogumelo fora do buraco respirador, felizmente não foi preciso porque estavam compostas o que me permitiu manter um bocadinho a dignidade.
Agora dói-me é um pouco a barriga, acho que tenho de começar a ser um ser humano melhor e não meter as pizzas à frente de outro humano, mas porra, eu tenho desculpa... não se brinca com comida e muito menos com pizzas!

A rainha das pesquisas

Numa tentativa de introduzir a minha mãe no mundo encantado da internet e das fantásticas cuscuvilhices da vida alheia (e na tentativa de ter mais um vizinho nos Avengers Alliance) tenho sugerido (impingido) à minha mãe uma banda larga, coisa pouca e baratuxa que ela não precisa de fazer grandes navegações de início, mas como a mulher é unha de fome no que toca a tecnologias tenho tido alguns problemas para a convencer. Então de que é que eu me lembrei? Utilizar a título provisório a net do vizinho para lhe meter o bichinho pois-tá-claro!
Recordava-me vagamente que havia um site fantástico que nos dava as passwords dos routers Thompson mas não me lembrava exactamente como se chamava, então, vai de abrir o google e toca a pesquisar:
Fode-me router;
Fode-me password;
Fode-me como desbloquear router;
Fode-me wifi:
Bem foi para ali um regabofe de fodilhanços que já não sabia para onde me virar, até que me lembrei que o site era o Fodi.me, e lá fui pesquisar outra vez e tudo para descobrir que realmente fodi-me porque aquele site já não é o que era e já não serve para nada. Existem outras maneiras, dão mais trabalho mas lá terá que ser porque eu acho que a minha mãe vai gostar de aprender a mexer no face e eu vou adorar ter um novo vizinho nos Avengers.
Agora que penso... se o Pé-Descalço for ver o histórico e deparar-se com aquela pornografia explícita com router ainda levo é um abrunho no meio da testa!
Olhem vou mazé para a cama que daqui a nada são 4547852156464 posts de gente entendida na matéria a falar sobre os outfits dos famosos e como eu não sou uma gaja fashion vou calçar as meias, encher o saquito de água quente e vou para a cama que eu trabalho minhas fufes! Não sou como vós que teve a peida sentada no sofá durante o fim de semana!