Aviso - Post Caginxas!

Com 26 anos, prestes a completar os 27 a 14 de Maio acho que nunca vou conseguir realizar alguns dos meus grandes sonhos:
Acho que nunca irei sair da porcaria de um apartamento...
Acho que nunca irei sair da cidade...
Acho que nunca irei fazer uma grande viagem...
Acho que nunca me irei casar...
Acho que nunca terei um trabalho estável e onde ganhe minimamente bem...

Foda-se os políticos que só enterram esta merda de País e fodem a economia!
Foda-se para as leis que só protegem a escumalha!
Foda-se para isto tudo que só me apetece sair de Portugal.

A neura tomou conta de mim hoje...

Que cagaço!!!

Vós caros leitores tão a ver aqueles dias onde as coisas nos correm sempre muita bem?! Daqueles dias que temos um feeling que se jogássemos no Euro-milhões tinha-nos saído o 2º prémio? Estão a ver não estão?!

Epah... é que o dia de hoje foi mesmo exactamente, exactamente o oposto disso!
Primeiramente foi o vinho na tigela dos cereais em vez do leitinho que tão bem que me soube, mas estava eu a ir para o trabalho e a pensar cá para comigo "Didi... deixa de te armares em fitipaldi dos Twingos que o piso não está para brincadeira que tu ainda te matas para aí e depois que isto anda uma burocracia para morrer que é melhor nem pensar nisso."

Oh que fodasse! O que é que eu fui pensar, entro numa rotunda e a sair dela (é muito apertada e faz uma curva acentuada a subir) o carro começa-me a tremer que nem varas verdes, a fazer um barulho de trepidação que mais parecia que se tinham rebentado os 4 pneus e de repente o cabrão foge-me para a direita, e eu viro o volante para a esquerda, e ele volta-se para a direita e eu digo "ah cabrão que não hás-de ser mais teimoso que eu" lá andamos ali ao jogo do empurra e consegui dominá-lo, tive pelo menos o sangue frio de o controlar com o volante e não travar, porque senão era a loucura.

Foi o meu primeiro susto de viação oficial... e... borrei-me toda!
Não contente com isto, termina o trabalho e venho em para casa a 10km/h (sim, sim vinha devagar porque o meu olhinho do cú estava tão apertado de cagufa que mal me conseguia mexer) e quando chego ao hall do meu andar saio do elevador e funde-se uma lâmpada mesmo por cima dos meus cornos, foi cá um estalo que aquela merda mandou que eu vos estou a escrever estas piquenas linhas directamente da sanita porque isto já é muito emoção para um dia... fosgasse que ninguém merece!

Momentos de pura lamechice!

Quem é que daqui já recebeu serenatas super lamechas no local de trabalho?! Hãn? Hãn?
Vááá, não comecem já aí a dizer "eina o Abade é um granda maluco, sim senhora" porque está escrito nas estrelas que é mais que óbvio que não foi comigo, até porque o Abade não é dado a essas coisas e se um dias fizesse paneleirices dessas estava mais que visto que fez borrada da grossa.

Ora atão já eu e os meus colegas já sabíamos de antemão que algo ia aconteceu a uma nossa colega perto da hora de saída porque durante o dia gente estranha dirigia-se ao balcão e entregava-lhe rosas (a inveja, oh a invejaaaa), e pelas 18h00 vemos 3 mafarricos de viola na mão e câmara a entrar loja a dentro a passar a frente de toda a gente chegarem-se ao pé dela e desatam para ali a entoar canções de amor a dar cum pau enquanto a rapariga ficou congelada com os olhos cheio de lágrimas e sem saber como reagir, enquanto se ouvia uns "Ahhhhhhh" e "Ohhhhhhhh"... quase parecia um filme porno.

Foi um momento bonito a não se repetir porque o meu paneleirómetro bateu os 100% e eu não tenho estaleca para aguentar coisas sentimentais muitas vezes seguidas.

Ficou para recordar frases do género:
"Quando chegar a casa vou-me divorciar do meu marido."
"Será que o marido dela tem irmãos?"
"Vamos matá-la e ficar com o marido dela!"
"Era um processo disciplinar em cima dela e ser despedida" (a esta velha frustrada era partir-lhe os cornos no balcão)

Ah e no final ainda vieram ter comigo a perguntar "Foi à menina a quem dedicaram a serenata? Foi muito bonito" (olha outra a ficar com a cabeça rachada...).

Com isto tudo prova-se que ainda há espécimes da raça masculina que gostam de fazer surpresas, que pena que agora que isto acontece está provado cientificamente que os genes masculinos estão todos a morrer!

Didi, a monstertruck da potassa!

Como todos vós sabeis, eu sou uma dotada condutora de todo o terreno, especializada em conduzir em rectas a 30km/h e a fazer picanços com velhos.
Pois bem, que certo dia destes, ia eu a caminho do trabalho quando a meio da rotunda lálálá o Punto simplesmente se desliga... puff... Didi não compreende tal acção de um carro que nunca mostrou sinais de amuanço, nem ciumeiras. Mas nenhum carro é mais teimoso que eu, ligo o bicho e ando mais dois metros e puff novamente e assim foi por mais uma três ou quatro vezes.

Já toda eu transpirava, já tremia que nem varas verdes, já estava prestes a largar o carro no meio da rotunda e sair disparada enquanto dizia asneirado à mistura, ofendia a mãe de alguém e ia a penantes para o trabalho, mas ainda insisti mais umas vezes até que acabei por chegar à bomba de gasolina para chamar o reboque quando me atinge uma lembrança que já não punha gasóleo há cerca de 3 semanas e olhei para a ceninha da reserva e ela a piscar "oh, oh... Didi minha vacarrona tu queres ver que esta merda é falta de bebida..." pensei eu cá para comigo... e não é que era? Após 20,00€ de gasóleo o Punteco ressuscitou dos mortos e ainda largou mais fumarada do que é costume.
E a culpa disto tudo foi do Abade que andava ha 3 semanas a dizer-me que o carro ainda tinha muito gasóleo, que ainda dava para mais uma semana, que o manómetro é que estava avariado... e depois as mulheres é que não percebem nada do assunto.

Mas como isto tudo tenho a relatar que o punto morreu! E de quê? De quê? A embraiagem foi-se, ia eu a meter a mudança no dia seguinte e fez PUFFF de vez.

Adeus punteco, que tantas alegrias nos deste com os filmes de estacionamento, mudanças arranhadas, farol fundido, todo cagado e com comida de cão e areão espalhado... e agora abram alas para a nova aventura como um Twingonáitessssssssssssssss.