Tenho saudades...

... de entrar no autocarro e de mandar vir com a gaja atrás de mim que traz uma mala que mais parece uma geladeira de praia e que se me está a espetar nas costas...
Tenho saudades que me impinjam o Global, o Destak, os folhetos do VivaFit e os cartõezinhos do astrólogo professor Fofana (que tudo cura) sete vezes ao dia...

Tenho saudades de entrar de empurrão no metro para conseguir ficar lá dentro...
Tenho saudades daquelas pessoas que teimam em ler os jornais com o metro pelas costuras e acabam por fazer da minha cabeça um encosto para as folhas...

Ah...não espera...

Não é bem saudades não...é mais do género; se eu já acabei as minhas férias, então TODA a gente deveria ser proibida de continuar as férias e toca mazé de vir produzir para o País andar prá a frente!
Cambada de mafarricos só querem é descanso pá!

Constatação!!!

Preferia de bom grado pôr todos os dias supositórios do que ter herpes labial uma vez por ano...
Ninguém merece!

Ando aqui com as beiças que pareço um cabo-verdiano!

Acredita que é verdade

Quando eu era chavalita a minha mãe entretinha-se muito a gozar com a minha ingenuidade e uma das suas gozações preferidas era com as aftas, coisa que eu costumava ter muito na ponta da língua (sabe-se lá porquê).

Ela tinha sempre duas variantes, dependendo do que tinha à mão:

Técnica #1:
"Olha vai-me esfregar a língua ali naquela parede de cimento que isso desaparece!"

Técnica #2:
"Olha, vou-te por um bocado de mel na ponta da língua, mas tem atenção porque não podes engolir o mel! Ele tem que ficar na afta para a secar!"

Oras, na primeira técnica ao fim de raspar um bom bocado com a língua na parede realmente deixava de sentir a afta, mas também deixava de sentir a língua.
Na segunda... era crueldade pura! Porque eu adoro mel, e ficava ali a salivar, a salivar com a língua pendurada e a conter-me para não a meter para dentro e comer aquilo tudo...

Claro que nenhuma funcionou, mas pelo menos ainda se riram às minhas custas e eu ainda ganhei um traumazinho ou dois... e depois admiram-se que a juventude está perdida.

Não gosto!!!

Admito, sou cagufas!!!

Não gosto de estar em casa sozinha... ponto!

Não gosto de estar sozinha à noite porque parece que é quando toda a gente decide tocar-me à campainha, ou é a tvcabo, ou a meo, ou o pessoal da junta de freguesia a pedir uma contribuição para o Natal em pleno Agosto, ou os vizinhos que me deixam cair roupa no estendal... tudo se lembra de mim!

Não gosto de dormir sozinha porque mal começo a adormecer, a fechar o olho... pimba! parece-me ouvir um barulho e abro os olhos... ligo a luz e não vejo nada! Volto a fechar a pestana e volto a abri-la, a fechar e a abri-la sempre na esperança de ouvir um ruído ou ver uma sombra... sou capaz de estar assim uma noite inteira... e quando finalmente estou a começar a adormecer de madrugada é a gataria a correr por cima de mim e a gritar "MNHAAAAAA MNHAAAAA"... que é como quem diz "Comidinha, então?!"

Mas melhor que dormir sozinha à noite, é dormir sozinha à noite e com trovoada! (também não gosto de trovoada) Aí é que é bonito de se ver... mal há um clarão de um relâmpago, é verem-me a mim e aos três gatos a correrem em direcção à cama e enfiarmo-nos todos debaixo dos lençois e ficarmos sossegadinhos, caladinhos, a pedir aos santinhos que a trovoada não repare em nós e se ponha na alheta bem depressinha!

E hoje vai ser um daqueles dias em que não vou pregar olho :-S

[Nota: consultar um psiquiatra]